AGU confirma que Judiciário não pode impor custo de digitalização dos autos às partes

Imprimir: AGU confirma que Judiciário não pode impor custo de digitalização dos autos às partes Compartilhamento: AGU confirma que Judiciário não pode impor custo de digitalização dos autos às partes AGU confirma que Judiciário não pode impor custo de digitalização dos autos às partes AGU confirma que Judiciário não pode impor custo de digitalização dos autos às partes AGU confirma que Judiciário não pode impor custo de digitalização dos autos às partes
Publicado : 28/06/2020 - Atualizado às : 19:23:33

Imagem: freepik
Imagem: freepik

A Advocacia-Geral da União (AGU) comprovou no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que não cabe ao Judiciário transferir o ônus da digitalização de autos, ou seja, a transformação dos processos físicos em eletrônicos, às partes.

Representando extrajudicialmente a União por meio do Departamento de Assuntos Extrajudiciais da Consultoria-Geral da União, a AGU ajuizou procedimento de controle administrativo no âmbito do CNJ contra ato normativo do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região que havia feito a determinação para todos os representantes – advogados privados ou públicos – de um processo.

No CNJ, a AGU defendeu a ilegalidade do normativo e afirmou que não cabe ao tribunal criar obrigação de forma unilateral aos administrados sem que haja fundamento legal para tanto, ou seja, inovar no ordenamento jurídico. A Advocacia-Geral alertou ainda que a determinação representava desvirtuamento do princípio da cooperação presente no Código de Processo Civil, uma vez que as partes devem cooperar na medida de suas possibilidades e não de forma imposta.

O CNJ reconheceu os limites das atividades normativas dos tribunais sobre a questão e assinalou que a digitalização cabe aos cartórios desses órgãos. “A decisão representa uma vitória importante da AGU, o reconhecimento de que as funções essenciais da Justiça, da qual a AGU faz parte, não são auxiliares subalternos dos tribunais”, observa a Advogada da União Érica Izabel da Rocha. “Não pode um tribunal constranger as partes unilateralmente. A decisão do CNJ põe fim a acentuadas divergências”, completa.

Ref: Procedimento de Controle Administrativo n.  0008654-73.2018.2.00.0000/CNJ.


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »