AGU confirma que aposentadoria por invalidez pode ser revista após perícia médica

Imprimir: AGU confirma que aposentadoria por invalidez pode ser revista após perícia médica Compartilhamento: AGU confirma que aposentadoria por invalidez pode ser revista após perícia médica AGU confirma que aposentadoria por invalidez pode ser revista após perícia médica AGU confirma que aposentadoria por invalidez pode ser revista após perícia médica AGU confirma que aposentadoria por invalidez pode ser revista após perícia médica
Publicado : 01/06/2020 - Atualizado às : 20:47:42

Imagem: brasil.gov.br
Imagem: brasil.gov.br

A Advocacia-Geral da União (AGU) demonstrou na Justiça a legalidade de revisão administrativa feita pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) em um benefício de aposentadoria por invalidez.

O beneficiário recebia a aposentadoria desde 2011, após ingressar com uma ação previdenciária alegando ser portador de cardiopatia grave. Em audiência de conciliação à época, o INSS propôs um acordo para dar início ao pagamento das mensalidades que foi homologado pela Justiça.

Posteriormente, durante perícia de revisão de benefícios, verificou que o cidadão estava apto para atividades laborais. Com a constatação do fim da incapacidade total e definitiva, a aposentadoria deixou de ser paga. Ao contestar a mudança, o cidadão entrou com uma ação de cumprimento de sentença para solicitar o retorno do pagamento do benefício na íntegra.

Mas a AGU questionou o pedido, defendendo o direito de o INSS realizar exames médicos de revisão da aposentadoria por invalidez. A Advocacia-Geral lembrou que a legislação estabelece que segurados que recebem auxílio-doença, aposentadoria e pensão por invalidez são obrigados a se submeter aos exames, sob pena de suspensão dos benefícios.

A Advocacia-Geral também questionou a forma como o pedido foi feito, uma vez que  caberia ao autor da ação questionar a revisão do benefício em um novo processo pois a sentença anterior, a qual ele pretendia dar cumprimento, já havia transitado em julgado.

“A perícia administrativa não foi objeto de discussão nos autos do processo. Desse modo, a parte autora pretendia de modo transverso a anulação da nova perícia sem o devido contraditório”, explica Clarice Portela Macêdo, coordenadora da Equipe Regional de Execução Previdenciária da Procuradoria-Regional Federal da 1ª Região.

Concordando com os argumentos da AGU, a Justiça Federal de Goiás indeferiu o pedido de cumprimento da sentença.


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »