AGU garante aplicação de lei sobre matrícula simultânea de estudante na UFMG

Imprimir: AGU garante aplicação de lei sobre matrícula simultânea de estudante na UFMG Compartilhamento: AGU garante aplicação de lei sobre matrícula simultânea de estudante na UFMG AGU garante aplicação de lei sobre matrícula simultânea de estudante na UFMG AGU garante aplicação de lei sobre matrícula simultânea de estudante na UFMG AGU garante aplicação de lei sobre matrícula simultânea de estudante na UFMG
Publicado : 20/05/2020 - Atualizado às : 14:33:05

A Advocacia-Geral da União (AGU) garantiu a aplicação de uma lei federal e evitou que um estudante ocupasse, ao mesmo tempo, duas vagas na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Com essa atuação, a AGU garantiu o cumprimento da Lei nº 12.089/09, que é explícita ao determinar que universitários não podem cursar, simultaneamente, duas graduações em instituições públicas de ensino superior. O objetivo da medida é permitir melhor distribuição e justiça social no acesso às vagas custeadas exclusivamente com recursos públicos. 

Contrariando à lei, um estudante de Farmácia da UFMG fez matrícula no curso de Medicina na própria Universidade após aprovação no vestibular para o 1º semestre de 2019. Ao fazer a matrícula, ele teve o registro anterior cancelado. Então, entrou com uma ação na Justiça Federal pedindo para cursar temporariamente as duas graduações. 

Mas, a Advocacia-Geral da União, por meio por meio da Equipe Regional em Matéria de Educação da 1° Região faz parte da Procuradoria-Regional Federal da 1° Região (ER-EDU/PRF, esclareceu que a legislação veda esse tipo de situação. Ressaltou, ainda, que a UFMG agiu de acordo com a Constituição Federal (arts. 205, 208 e 214), ao aplicar os princípios da universalização do atendimento escolar e da garantia ao acesso aos níveis mais elevados de ensino.

Justiça social

“Não se pode de forma alguma permitir a ampliação do acesso ao ensino superior gratuito em detrimento de outrem que também faz jus a uma mesma política educacional. A lei inclusive é genérica e abrangente, não faz distinção ao tipo ou a natureza do curso superior. Ou seja, qualquer curso superior ministrado por qualquer instituição de direito público, custeado por verbas públicas, encaixa-se nessa vedação legal”, explica a Procuradora Federal Mônica Kouri Oliveira, Coordenadora da Equipe Regional em Matéria de Educação da 1° Região.

A Juíza Federal Substituta da 34ª Vara Federal de Minas Gerais acolheu integralmente os argumentos da AGU e julgou improcedente o pedido do estudante.

Para a Procuradora Federal Mônica Kouri Oliveira, a decisão destaca o trabalho feito pela AGU ao assegurar a implementação de políticas públicas.   “A partir do momento que a atuação contenciosa e institucional obtém êxito e sensibiliza o Judiciário para causas que ampliam o rol de oportunidades no âmbito da educação para todos os cidadãos, nos deparamos com a concretização real do que podemos denominar hoje de verdadeira justiça social”, esclarece a Procuradora Federal.

A Equipe Regional em Matéria de Educação da 1° Região faz parte da Procuradoria-Regional Federal da 1° Região (ER-EDU/PRF1), unidade da Procuradoria-Geral Federal (PGF), órgão da Advocacia-Geral da União (AGU).

 


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »