AGU comprova adoção de medidas para proteger saúde de indígenas no Mato Grosso

Imprimir: AGU comprova adoção de medidas para proteger saúde de indígenas no Mato Grosso Compartilhamento: AGU comprova adoção de medidas para proteger saúde de indígenas no Mato Grosso AGU comprova adoção de medidas para proteger saúde de indígenas no Mato Grosso AGU comprova adoção de medidas para proteger saúde de indígenas no Mato Grosso AGU comprova adoção de medidas para proteger saúde de indígenas no Mato Grosso
Publicado : 08/04/2020 - Atualizado às : 19:46:45

A Advocacia-Geral da União (AGU) comprovou na Justiça que o governo federal está promovendo medidas para garantir a saúde e a segurança alimentar dos povos indígenas do Mato Grosso em meio à pandemia da Covid-19.

A atuação ocorreu após liminar da Justiça Federal determinar que a União fornecesse duas mil cestas básicas mensais ao povo indígena Xavante e que a entrega deveria ser feita pelo Exercito Brasileiro, por seu caráter simbólico de autoridade, para conscientização da comunidade sobre a pandemia.  O pedido havia sido feito pelo Ministério Público Federal (MPF) por meio de uma ação civil pública em face da União e da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Mas a Advocacia-Geral, por meio da Procuradoria da União no Estado de Mato Grosso, explicou que não cabe às Forças Armadas esse dever de conscientização da comunidade, uma vez que essa atribuição é de competência do Ministério da Saúde e da Fundação Nacional do Índio (Funai).

A unidade da AGU comprovou que o Ministério da Saúde, por meio da Secretaria Especial de Saúde Indígena, tem adotado uma série de medidas para prevenir a Covid-19 nas comunidades indígenas, entre as quais a intensificação das rotinas de educação em saúde; a elaboração de material audiovisual educativo sobre a doença; a formulação de planos de emergência; e a aquisição de insumos.

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região acolheu os argumentos da AGU e suspendeu os efeitos da liminar. "A AGU conseguiu defender em juízo a política pública do Ministério da Saúde e demais órgãos da administração responsáveis pela proteção das comunidades indígena em vez de permitir que ela fosse feita de forma desordenada, sem levar em conta os recursos existentes", explica o Procurador-Chefe da União em Mato Grosso, Amaury Reis Fernandes. “A decisão inicial poderia ter um efeito multiplicador devastador. Temos inúmeras comunidades indígenas e a liminar poderia ser replicada em todo pais”, conclui.


 
« Notícia anterior