AGU assegura cumprimento de regras para custeio de plano de saúde em estatal

Imprimir: AGU assegura cumprimento de regras para custeio de plano de saúde em estatal Compartilhamento: AGU assegura cumprimento de regras para custeio de plano de saúde em estatal AGU assegura cumprimento de regras para custeio de plano de saúde em estatal AGU assegura cumprimento de regras para custeio de plano de saúde em estatal AGU assegura cumprimento de regras para custeio de plano de saúde em estatal
Publicado : 08/04/2020 - Atualizado às : 19:43:04

A Advocacia-Geral da União (AGU) assegurou na Justiça Trabalhista o cumprimento das regras utilizadas pela estatal Indústria de Material Bélico do Brasil (Imbel) no custeio do plano de saúde dos empregados.

A atuação evitou um impacto de pelo menos R$ 37 milhões aos cofres públicos e aconteceu no âmbito de um Incidente de Resolução de Demandas Repetitivas instaurado no Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (TRT3) com o objetivo de uniformizar o entendimento sobre a legalidade das mudanças promovidas pela empresa em relação à coparticipação nos planos de saúde. Em ações trabalhistas, os empregados alegavam que a Imbel deixou de pagar 94% do valor do plano por mês e passou a pagar 50%, o que representaria perda salarial.

A AGU passou a atuar no feito após pedido da estatal, em face da elevada quantidade de reclamações trabalhistas discutindo a temática, e devido ao interesse econômico e jurídico da causa, uma vez que a Imbel é uma empresa pública totalmente dependente dos recursos públicos da União.

Fundamento

A Advocacia-Geral, por meio de atuação conjunta da Procuradoria da União em Minas Gerais e do Departamento Trabalhista da Procuradoria-Geral da União, defendeu que as mudanças estão amparadas na Resolução da Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações Societárias da União (CGPAR) nº 23/2018 – editada pelo então Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão – que definiu que as empresas estatais devem fazer o custeio de no máximo 50% dos planos de saúde.

De acordo com a AGU, a mudança também está amparada pela Emenda Constitucional nº 95/2016, que prevê uma limitação dos gastos orçamentários pela administração pública por 20 anos.

O plenário do TRT3 acatou os argumentos da AGU e julgou de forma favorável à Imbel – decisão que deve ser observada pelos juízos de primeira instância.

“A atuação foi importante porque representa uma economia para os cofres públicos e porque se a Imbel perdesse essa ação, seria criado um precedente em relação a outras estatais”, avalia o procurador-chefe da União em Minas Gerais Max Casado de Melo.

Ref.: IRDR nº 0011325-36.2018.5.03.0000/TRT3.


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »