Município não pode impedir Dnit de remover construções irregulares de rodovia

Imprimir: Município não pode impedir Dnit de remover construções irregulares de rodovia Compartilhamento: Município não pode impedir Dnit de remover construções irregulares de rodovia Município não pode impedir Dnit de remover construções irregulares de rodovia Município não pode impedir Dnit de remover construções irregulares de rodovia Município não pode impedir Dnit de remover construções irregulares de rodovia
Publicado : 05/03/2020 - Alterado : 09/03/2020

Imagem: senado.leg.gov.br
Imagem: senado.leg.gov.br

O município de Careiro de Várzea, localizado na região metropolitana de Manaus, não pode impedir a desocupação de imóveis construídos nos arredores de rodovia federal. Foi o que a Advocacia-Geral da União (AGU) conseguiu confirmar junto à Justiça Federal do Amazonas.

A atuação ocorreu após o município ajuizar ação com objetivo de impedir que o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) desocupasse e demolisse construções localizadas na faixa de domínio de 65 metros do início da BR-319, em trecho que passa pela área urbana da cidade. A prefeitura local alegava que a desocupação prejudicaria inúmeras famílias e o trabalho de pescadores artesanais, carregadores e prestadores de serviço.

Contudo, a AGU, em defesa do Dnit, sustentou que o município sequer teria legitimidade processual para postular direitos dos moradores. Os procuradores federais explicaram, ainda, que a ocupação irregular nos arredores da da BR-319 tem crescido vertiginosamente na última década, o que obrigou o Dnit a expedir mais de 20 notificações aos invasores para desocupar a área. No entanto, o que houve foi o aumento das construções em direção à rodovia, colocando em risco a segurança dos próprios moradores e dos usuários da pista.

A 3ª Vara Federal do Amazonas concordou com a AGU e reconheceu a ausência de interesse e ilegitimidade do município para atuar como parte autora na ação por se tratar da defesa de interesses individuais de um número limitado de pessoas. Por isso, o magistrado julgou extinto o processo, sem julgamento do mérito.

“Essa ação específica foi importante porque tratou-se de um espaço bem grande e conseguimos assegurar perante o Judiciário, a defesa do patrimônio público. Mesmo que não tenha sido discutido o mérito da ação, conseguimos proteger o espaço público”, avalia o Procurador Federal que atuou no caso, Ramon Paz do Nascimento.

Atuaram na ação a Procuradoria Federal no Estado do Amazonas e a Procuradoria Federal Especializada junto ao Dnit.

Ref.: Processo nº 1000701-15.2019.4.01.3200 - Justiça Federal do Amazonas.


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »