AGU demonstra legalidade de medida que amplia concorrência no transporte rodoviário

Imprimir: AGU demonstra legalidade de medida que amplia concorrência no transporte rodoviário Compartilhamento: AGU demonstra legalidade de medida que amplia concorrência no transporte rodoviário AGU demonstra legalidade de medida que amplia concorrência no transporte rodoviário AGU demonstra legalidade de medida que amplia concorrência no transporte rodoviário AGU demonstra legalidade de medida que amplia concorrência no transporte rodoviário
Publicado : 06/02/2020 - Atualizado às : 20:14:33

Foto: ppi.gov.br
Foto: ppi.gov.br

A Advocacia-Geral da União (AGU) evitou a suspensão judicial de norma da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) que aumenta a concorrência no setor de transporte rodoviário interestadual e internacional de passageiros.

A deliberação nº 955/2019 da ANTT começou a valer no ano passado e foi questionada na Justiça pela Federação das Empresas de Transporte de Passageiros dos Estados do Paraná e Santa Catarina (Fepasc), que pediu a suspensão da norma.

A entidade alegou que a decisão da agência afrontava a competência do Estado do Paraná para regular o serviço público de transporte intermunicipal de passageiros. E que a suposta liberação ampla e irrestrita dada para a atividade acarretaria efeitos gravíssimos para o sistema intermunicipal de transporte.

No entanto, em primeira instância, o pedido de liminar para suspensão foi negado pela 6° Vara Federal de Curitiba. A entidade então recorreu ao Tribunal Regional Federal da 4° Região, que manteve a decisão da 6° Vara.

Na decisão, a desembargadora federal que analisou o caso destacou que a ANTT buscou dar efetividade à Lei nº 12.996/2014, que submete o sistema de transporte coletivo rodoviário interestadual de passageiros a um regime de eficiência.

A lei, segundo a magistrada, permitiu que a autarquia federal controlasse, por até cinco anos, o valor das tarifas máximas e o seu reajuste, bem como a progressiva liberação das tarifas, visando fomentar a concorrência entre os prestadores. O prazo máximo se encerrou no dia 18 de junho de 2019, data em que não havia mais justificativa para se abrir gradativamente o mercado.

Concorrência

A procuradora-geral da Procuradoria Federal junto à ANTT, Priscila Cunha do Nascimento, explica que a decisão é importante porque preserva todo o marco regulatório legal estabelecido pela ANTT para o setor de transporte rodoviário interestadual e internacional de passageiros.

“O mercado até então atuava de uma maneira fechada, por meio de autorizações precárias e temporárias, até que fosse efetivamente realizada a abertura. E a deliberação traz esse efeito de permitir que qualquer empresa atue no mercado, desde que atenda as demais normas da ANTT”, esclarece.

Ainda de acordo com a procuradora, o maior beneficiado é o cidadão. “As empresas que atuam no mercado hoje podem estabelecer a tarifa que elas quiserem, já que desde 19 de junho de 2019 não é uma tarifa regulada. Com a possibilidade de outras empresas ingressarem no mercado, aumenta-se a quantidade de linhas de ônibus e a concorrência, de maneira que espera-se que a oferta do serviço seja maior e o preço para o consumidor sejá melhor do que o praticado atualmente”, ressalta.

Além da PF/ANTT, atuou no caso a Procuradoria Federal no Estado do Paraná (PF/PR). Ambas fazem parte da Procuradoria-Geral Federal (PGF), órgão da AGU.

Ref.: Processo nº: 5071825-52.2019.4.04.7000/PR –TRF4.


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »