AGU oferece vagas de pós-graduação em advocacia pública a países da América Latina

Imprimir: AGU oferece vagas de pós-graduação em advocacia pública a países da América Latina Compartilhamento: AGU oferece vagas de pós-graduação em advocacia pública a países da América Latina AGU oferece vagas de pós-graduação em advocacia pública a países da América Latina AGU oferece vagas de pós-graduação em advocacia pública a países da América Latina AGU oferece vagas de pós-graduação em advocacia pública a países da América Latina
Publicado : 15/08/2019 - Alterado : 18/09/2019

O advogado-geral da União, André Mendonça, anunciou nesta quinta-feira (15), em Lima, no Peru, que os países-membros da Associação Latinoamericana de Advocacias e Procuradorias de Estado (Alap) poderão participar do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em advocacia pública oferecido pela Escola da Advocacia-Geral da União (AGU).

Os integrantes das advocacias ou procuradorias-gerais dos países que fazem parte da Alap (Colômbia, Chile, Guatemala, Equador, Panamá, Honduras, Peru, Paraguai e Bolívia) terão direito inicialmente a uma vaga cada na próxima turma do curso.  A primeira edição da Pós-graduação terá início no próximo dia 27 de agosto, com uma aula magna na sede II da AGU. 

Mendonça também explicou os detalhes do curso, eixos temáticos e disciplinas, e os critérios para participação. Além das vagas para estudantes, a EAGU está aberta para receber professores que tenham interesse em colaborar com os estudos, desde que possuam o curso de Doutorado nos seus respectivos países. Segundo ele, o objetivo da AGU é criar uma escola superior de advocacia de Estado para todo o país, oferecendo cursos a advogados públicos a nível federal, estadual e municipal.

O diretor da EAGU, Danilo Barbosa de Sant'Anna, disse que o intuito de trazer estudantes e professores para a pós-graduação é fazer com que o curso seja cada vez mais "rico e útil" para o advogado público não apenas brasileiro, mas de toda a América Latina.

"Essa é uma iniciativa que tem como objetivo a troca de experiências e o fortalecimento institucional da advocacia pública na América Latina, que se encontra em diferentes estágios em cada um dos países. É um momento de muita alegria e esperança nesse projeto que tem tanto carinho da instituição", elogiou.

"Certamente há, dentre os professores, ministros da Suprema Corte do Brasil, então será um curso bastante intenso e com um bom corpo docente", assegurou. A especialização, cujo tema é: "Estado de Direito e Advocacia Pública", terá 18 meses de duração. Segundo Mendonça, a programação será ampliada para conter também disciplinas de Direito Internacional.

Ascom AGU

 

 


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »