AGU assegura no STF venda de subsidiárias por empresas estatais sem aval do Congresso

Imprimir: AGU assegura no STF venda de subsidiárias por empresas estatais sem aval do Congresso Compartilhamento: AGU assegura no STF venda de subsidiárias por empresas estatais sem aval do Congresso AGU assegura no STF venda de subsidiárias por empresas estatais sem aval do Congresso AGU assegura no STF venda de subsidiárias por empresas estatais sem aval do Congresso AGU assegura no STF venda de subsidiárias por empresas estatais sem aval do Congresso
Publicado : 15/08/2019 - Atualizado às : 14:01:41

Foto: stf.jus.br

Foto: stf.jus.br

A Advocacia-Geral da União (AGU) obteve nesta quinta-feira (6) junto ao Supremo Tribunal Federal a garantia de que as empresas estatais possam vender suas controladas e subsidiárias sem a necessidade de prévia autorização legislativa. Por maioria, o plenário do STF aceitou os argumentos da AGU no sentido de que a legislação que trata do tema não prevê a elaboração de uma lei específica para cada caso de desinvestimento feito pela estatal. 

Após o julgamento, o advogado-geral da União, André Mendonça, disse que a decisão do Supremo traz parâmetros para a formatação do Estado brasileiro para os próximos anos, uma vez que vai garantir o enxugamento de determinadas empresas estatais. Citando o caso da venda, pela Petrobras, de 90% da Transportadora Associada de Gás S.A. (TAG) – subsidiária da estatal que opera gasodutos-, que foi recentemente paralisado por uma decisão liminar, André Mendonça disse que a partir de agora o governo federal poderá se concentrar no enxugamento das estatais.

“Esse com certeza foi um dos julgamentos mais importantes do Supremo Tribunal Federal neste ano. Não se justifica uma empresa como a Petrobras ter mais de uma centena de subsidiárias e de empresas controladas por ela. É preciso haver um desinvestimento dessas empresas estatais para que suas matrizes foquem naquilo que dá lucro, resultado, que é relevante para o país, e que nós possamos ter um Estado menos inchado, mais enxuto, eficiente e comprometido com o resultado final das políticas públicas. E é nesse sentido que todo governo vai trabalhar à luz do parâmetro que foi estabelecido hoje pelo STF”, afirmou.

Em sustentação oral no plenário feita na semana passada, o advogado-geral  ressaltou que a venda da participação da Petrobras na empresa seguiu rigorosamente as diretrizes estabelecidas pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

“No caso da TAG, foram 67 empresas convidadas e 20 outras manifestaram interesse. Mais fiscalizado que 87 empresas? Exigiu-se capacidade financeira, expertise. Foram analisadas as melhores condições, e não houve nenhum questionamento na Justiça quanto à legalidade na operação. Nenhum processo é tão controlado como uma operação dessa natureza, com participação da CGU, CVM e aval do próprio Tribunal de Contas”, detalhou.

Em documento enviado anteriormente aos ministros do Supremo, a AGU já havia esclarecido que não é necessária autorização legislativa para cada caso de desinvestimento, uma vez que a mesma norma legal que genericamente autoriza as estatais a adquirirem participação acionária em subsidiárias ou empresas privadas também incluiu, implicitamente, a venda de tal participação.

"A Petrobras tem 38 subsidiárias, 64 controladas, mais de uma centena de empresas, para diversos fins. Até para botijão de gás e postos de combustíveis, transportadoras, empresas específicas. Uma gama de infinidade. Todas elas foram criadas por lei específica? Em sua imensa maioria, não", argumentou.

Referência: ADIs nº 5624, 5846, 5942 e 6029 


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »