AGU comprova participação da sociedade na renovação de contrato da Estrada Carajás

Imprimir: AGU comprova participação da sociedade na renovação de contrato da Estrada Carajás Compartilhamento: AGU comprova participação da sociedade na renovação de contrato da Estrada Carajás AGU comprova participação da sociedade na renovação de contrato da Estrada Carajás AGU comprova participação da sociedade na renovação de contrato da Estrada Carajás AGU comprova participação da sociedade na renovação de contrato da Estrada Carajás
Publicado : 13/08/2019 - Atualizado às : 13:22:02

Foto: ebc.com.br
Foto: ebc.com.br

A Advocacia-Geral da União (AGU) conseguiu comprovar na Justiça a regularidade da participação da sociedade nas discussões sobre a renovação do contrato da Estrada de Ferro Carajás, que passa pelos estados do Pará e Maranhão.

A atuação ocorreu após a Federação das Entidades Comunitárias de Marabá acionar a Justiça pleiteando a suspensão de todos os atos de audiência pública promovida pela Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT) para discutir o caso e cobrar a a realização de uma sessão presencial em Marabá (PA), uma vez que estrada passa pelo município.

Mas a AGU, por meio por meio da Procuradoria Federal no Estado do Pará (PF/PA) e da Procuradoria Federal junto à Agência Nacional de Transportes Terrestres (PF/ANTT), esclareceu que a agência reguladora havia garantido a participação da sociedade nas discussões do projeto por todos os meios possíveis, incluindo sessões presenciais nas cidades de Belém (PA), São Luís (MA) e Brasília (DF) e a oportunidade de envio de manifestação de forma virtual e postal, totalizando mais de mil contribuições recebidas.

“Houve um expressivo número de participações por diversos agentes, incluindo usuários, empresas, cidadãos, representantes de municípios interceptados pela ferrovia e concessionárias, entre outros, ensejando dessa forma ajuste nos estudos técnicos de maneira a incorporar essas contribuições aceitas e aceitas parcialmente”, argumentou a AGU.

Atraso

A AGU alertou, também, que a realização de uma nova sessão presencial na cidade de Marabá prejudicaria todas as análises já formuladas na audiência pública e implicaria em atraso de no mínimo um ano e meio no projeto.

A 1ª Vara Federal de Marabá acolheu integralmente os argumentos da AGU e julgou improcedente o pedido da federação. A decisão reconheceu que não existe necessidade de uma sessão presencial específica em cada cidade afetada por empreendimentos de interesse público.

Ref.: Ação Civil Pública nº 1000115-09.2019.4.01.3901 – Justiça Federal de Marabá.


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »