AGU assegura pagamento de multa por descumprimento de obrigações em Viracopos

Imprimir: AGU assegura pagamento de multa por descumprimento de obrigações em Viracopos Compartilhamento: AGU assegura pagamento de multa por descumprimento de obrigações em Viracopos AGU assegura pagamento de multa por descumprimento de obrigações em Viracopos AGU assegura pagamento de multa por descumprimento de obrigações em Viracopos AGU assegura pagamento de multa por descumprimento de obrigações em Viracopos
Publicado : 26/06/2019 - Atualizado às : 15:15:21

Foto: campinas.sp.gov.br
Foto: campinas.sp.gov.br

A Advocacia-Geral da União (AGU) conseguiu na Justiça Federal que duas seguradoras paguem R$ 60 milhões de reais, mais multa de R$ 600 mil por dia, por atrasos em obras de ampliação do Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP).

As empresas Swiss RE Corporate Solutions Brasil Seguro S/A e Austral Seguradora foram acionadas após a concessionária Aeroportos Brasil Viracopos descumprir o contrato de concessão do terminal e não pagar a multa imposta pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

A concessionária foi multada por não concluir a construção do novo terminal de passageiros, do pátio para 35 aeronaves e de acessos viários e estacionamento com 4,5 mil vagas, conforme previsto no contrato de concessão. As obras deveriam ter sido entregues em maio de 2014.

As seguradoras impetraram mandado de segurança para impedir a Anac de cobrar o pagamento do seguro correspondente ao valor da multa. Mas o pedido foi contestado pela Procuradoria-Regional Federal da 1° Região (PRF1) e Procuradoria Federal junto à Anac (PF/Anac). As unidades da AGU explicaram que a agência reguladora enviou para as seguradoras todas as notificações e documentos necessários na apólice de seguro, não havendo qualquer impedimento legal ou judicial que impediria o pagamento do seguro.

A 1° Vara Federal do Distrito Federal acolheu os argumentos da AGU e indeferiu o pedido de liminar das seguradoras. Para a procuradora federal Waleska de Sousa Gurgel, que atuou no caso, a decisão é importante para os usuários do aeroporto e preserva a competência da Anac para fiscalizar o setor aéreo. “Fiscalização para demonstrar à concessionaria que não é só receber os lucros, mas também cumprir obrigações contratuais, pois o maior beneficiário é o usuário”, afirma.

A PRF 1ª Região e a PF/ANAC são unidades da Procuradoria-Geral Federal (PGF), órgão da Advocacia-Geral da União (AGU).

Ref.: Processo nº 1022547-07.2018.4.01.3400 - Justiça Federal do DF.


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »