Bens de acusados de desviar verba de construção de creches são bloqueados

Imprimir: Bens de acusados de desviar verba de construção de creches são bloqueados Compartilhamento: Bens de acusados de desviar verba de construção de creches são bloqueados Bens de acusados de desviar verba de construção de creches são bloqueados Bens de acusados de desviar verba de construção de creches são bloqueados Bens de acusados de desviar verba de construção de creches são bloqueados
Publicado : 01/03/2019 - Atualizado às : 15:39:31

Imagem: Ascom/AGU
Imagem: Ascom/AGU

A Advocacia-Geral da União (AGU) obteve na Justiça o bloqueio de quase R$ 4 milhões de acusados que desviaram verbas destinadas à construção de creches do programa ProInfância, do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), em Lagoa de Tocantins (TO).

A fraude ocorreu em um convênio celebrado em 2009, no valor de R$ 1,3 milhão. A AGU demonstrou que houve irregularidades no procedimento da tomada de preços para contratação da obra, que frustrou o caráter competitivo da licitação; além de irregularidades na execução do convênio, como pagamento sem a respectiva medição da execução das obras, além de inserção de medições falsas e superfaturamento. 

Em 2010, a Polícia Federal já havia investigado o desvio de recursos do FNDE em municípios de Tocantins, entre eles o da cidade de Lagoas do Tocantins. Na ocasião, foi apurado que o esquema criminoso era liderado por um servidor da autarquia que aproveitava do seu cargo, de engenheiro responsável pela fiscalização das obras, e inseria falsas medições no sistema do fundo. O ilícito contou com a adesão de diversos prefeitos e construtoras contratadas para a execução das obras.

Em parceria com Ministério Público Federal e o município de Lagoa do Tocantins, a AGU defendeu que praticaram improbidade administrativa o então prefeito da cidade, o engenheiro do FNDE, os membros da comissão de licitação e os sócios da empresa vencedora do certame. A Advocacia-Geral solicitou o ressarcimento integral ao erário dos valores desviados e pagamento de multa.

Bloqueio

Reconhecendo haver fortes indícios da prática de atos de improbidade administrativa, a 1ª Vara Federal do Tocantins deferiu o pedido de indisponibilidade de bens dos acusados, com exceção dos membros da comissão de licitação, até o limite de R$ 4 milhões, sendo 1,3 milhão referente ao valor do prejuízo ao erário e R$ 2,6 milhões relativos à possível multa civil a ser aplicada em sentença.

A AGU atua no caso por meio do Núcleo de Cobrança e Recuperação de Créditos da Procuradoria-Regional Federal da 1ª Região (PRF1) e da Procuradoria Federal junto ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (PF/FNDE).

Referência: Processos nº 1001072-45.2017.4.01.4300 e nº 1000091-79.2018.4.01.4300 – Justiça Federal do Tocantins.

Tchérena Guimarães


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »