AGU derruba liminar que impedia obra de restauração da Faculdade de Direito do Recife

Imprimir: AGU derruba liminar que impedia obra de restauração da Faculdade de Direito do Recife Compartilhamento: AGU derruba liminar que impedia obra de restauração da Faculdade de Direito do Recife AGU derruba liminar que impedia obra de restauração da Faculdade de Direito do Recife AGU derruba liminar que impedia obra de restauração da Faculdade de Direito do Recife AGU derruba liminar que impedia obra de restauração da Faculdade de Direito do Recife
Publicado : 03/12/2018 - Atualizado às : 16:30:33

Foto: wikipedia.org.br
Foto: wikipedia.org.br

A Advocacia-Geral da União (AGU) garantiu a continuidade do processo de licitação para a reforma do prédio da Faculdade de Direito do Recife, que está interditado por problemas estruturais. Atualmente, as aulas estão suspensas porque a Torre do Sino do edifício histórico corre risco de desabamento, ameaçando a integridade física de alunos, funcionários e outras pessoas que transitam na região.

Após a interdição do prédio, que abriga a faculdade desde 1912, a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) deu início ao processo de licitação para a execução das reformas necessárias para garantir a integridade estrutural do edifício e permitir a retomada das atividades normais da faculdade, que existe desde 1827 e é conhecida por ser uma das percussoras do curso de Ciências Jurídicas no Brasil, ao lado da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP).

No entanto, a licitação foi interrompida por uma liminar concedida pela Justiça à Cifra Engenharia e Serviços LTDA., empresa que foi desclassificada da concorrência para realização da obra após não apresentar toda a documentação necessária durante a primeira fase do processo.

A construtora também queria anular ou revogar inteiramente a licitação, alegando ter apresentado a Declaração de Elaboração Independente de Proposta, documento cuja ausência levou a comissão de licitação da UFPE a eliminá-la.

Em defesa da universidade federal, a Procuradora-Regional Federal da 5ª Região e a Procuradoria Federal junto à UFPE (unidades da AGU que atuaram no caso) entraram com um pedido de reconsideração para que a Justiça derrubasse a liminar e o processo de licitação pudesse continuar.

Falta de documentação

As procuradorias esclareceram que a documentação necessária não estava presente nos envelopes lacrados que devem ser entregues à comissão de licitação e que, durante o processo de habilitação, a construtora teve a oportunidade de localizar e apresentar a Declaração de Elaboração Independente de Proposta, mas não o fez. Também explicaram que o documento não é exigência exorbitante ou indevida, mas essencial para garantir a probidade do processo licitatório.

Além disso, os procuradores federais lembraram que a suspenção da licitação implicaria necessariamente na perda dos recursos destinados à obra, uma vez que a data final para o empenho do valor a ser usado na reforma ocorreria ainda em novembro de 2019, e que caso esse prazo fosse perdido a contratação da empresa escolhida para realizar a reforma não poderia mais ser feita, colocando a preservação e o funcionamento do edifício histórico ainda mais em risco.

A 10ª Vara Federal de Pernambuco acolheu os argumentos da AGU e suspendeu a liminar, permitindo que o processo de licitação pudesse continuar e que o empenho do valor da reforma pudesse ser feito no último dia possível.

A PRF5 e a PF/UFPE são unidades da Procuradoria-Geral Federal (PGF), órgão da Advocacia-Geral da União

REF.: Processo Nº 0814853-04.2018.4.05.8300 – Justiça Federal de Pernambuco.

Leonardo Werneck


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »