AGU obtém decisão que suspende venda irregular de agrotóxico no Mercado Livre

Imprimir: AGU obtém decisão que suspende venda irregular de agrotóxico no Mercado Livre Compartilhamento: AGU obtém decisão que suspende venda irregular de agrotóxico no Mercado Livre AGU obtém decisão que suspende venda irregular de agrotóxico no Mercado Livre AGU obtém decisão que suspende venda irregular de agrotóxico no Mercado Livre AGU obtém decisão que suspende venda irregular de agrotóxico no Mercado Livre
Publicado : 14/11/2018 - Atualizado às : 12:33:11

Foto: emater.mg.gov.br
Foto: emater.mg.gov.br

A Advocacia-Geral da União (AGU) obteve a suspensão de venda de produtos agrotóxicos de alta periculosidade pelo site Mercado Livre. A atuação ocorreu no âmbito de processo movido pelo portal contra o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

A autarquia havia autuado o Mercado Livre pela exposição e venda de agrotóxicos sem exigir a apresentação do receituário devido para a atividade, estabelecendo embargo à comercialização e também multa pela infração. A empresa impetrou mandado de segurança, com pedido de liminar, junto à 11ª Vara Federal de Curitiba (PR), pedindo a suspensão do embargo, tendo o pedido sido inicialmente deferido.

No entanto, as unidades da AGU que atuaram no caso (Procuradoria Federal Especializada junto ao Ibama, Procuradoria Federal no Paraná e Procuradoria-Regional Federal da 4ª Região) interpuseram agravo de instrumento junto ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) pedindo a suspensão da liminar. Em defesa da autarquia, apontaram os prejuízos que o comércio indiscriminado de produtos agrotóxicos pela internet poderia causar ao meio ambiente e aos próprios usuários.

Foi pontuado que, nestes casos, a entrega era feita pelos Correios, sem os cuidados devidos no transporte e manuseio. A ausência de receituário também poderia gerar o uso de quantidades excessivas do produto, causando danos ao meio ambiente. Além disso, foi apontado que o risco de que o uso fosse feito sem os requisitos necessários (como a ausência de equipamentos de proteção). Dessa forma, concluiu a AGU, a medida não envolvia limitação da liberdade de expressão, mas o direito dos cidadãos ao meio ambiente ecologicamente equilibrado.

O TRF4 acolheu o pedido da Advocacia-Geral. A decisão assinalou que no caso deveria prevalecer o interesse da coletividade, a preservação da saúde e do meio ambiente.

Referência: Processo nº 5038479-95.2018.4.04.0000/PR.

Luiz Flávio Assis Moura


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »