AGU confirma que não cabe ao Judiciário determinar como Ibama fiscalizará pesca

Imprimir: AGU confirma que não cabe ao Judiciário determinar como Ibama fiscalizará pesca Compartilhamento: AGU confirma que não cabe ao Judiciário determinar como Ibama fiscalizará pesca AGU confirma que não cabe ao Judiciário determinar como Ibama fiscalizará pesca AGU confirma que não cabe ao Judiciário determinar como Ibama fiscalizará pesca AGU confirma que não cabe ao Judiciário determinar como Ibama fiscalizará pesca
Publicado : 19/06/2018 - Atualizado às : 17:33:19

Foto: ibama.gov.br
Foto: ibama.gov.br

A Advocacia-Geral da União (AGU) obteve, junto ao Tribunal Regional Federal da 5ª Região, reforma de sentença que havia condenado o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) a realizar uma série de medidas de fiscalização de atividades pesqueiras nas embarcações em trânsito no litoral sergipano. O TRF5 acolheu por unanimidade a argumentação da Procuradoria Federal em Sergipe (unidade da AGU que atuou no caso) no sentido de que não compete ao Judiciário estabelecer políticas públicas para o Executivo.

A decisão de primeira instância havia atendido pedido do Ministério Público Federal para condenar o Ibama a realizar inspeção anual em todas embarcações pesqueiras registradas em Sergipe; fiscalizar embarcações atracadas nos portos no litoral sergipano com o objetivo de verificar a regularidade dos registros, licenças e autorizações; realizar, no mínimo, seis operações fiscalizatórias anuais destinadas ao monitoramento da atividade pesqueira. A sentença ainda havia fixado multa de R$ 10 mil ao Ibama por ato de não cumprimento da fiscalização.

Mas a AGU conseguiu reverter a sentença junto ao TRF5, que reconheceu que “todas as obrigações impostas comportam um cariz de forte intervenção judicial na delineação de políticas públicas”.

Interferência inadmissível

Os desembargadores federais admitiram, conforme a AGU havia argumentado, que em um sistema de tripartição de poderes, fundado na independência e harmonia, não se pode aceitar a interferência do Judiciário sobre atividades típicas do Executivo. “Não é razoável, portanto, que um edito jurisdicional trace políticas públicas para implementação no Executivo, como é tratado no presente caso”, resumiu trecho do acórdão.

Processo: 0800953-72.2014.4.05.8500 – TRF5.

José Cristian Góes


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »