AGU confirma validade de norma que regulamenta transporte de botijão de gás

Imprimir: AGU confirma validade de norma que regulamenta transporte de botijão de gás Compartilhamento: AGU confirma validade de norma que regulamenta transporte de botijão de gás AGU confirma validade de norma que regulamenta transporte de botijão de gás AGU confirma validade de norma que regulamenta transporte de botijão de gás AGU confirma validade de norma que regulamenta transporte de botijão de gás
Publicado : 12/06/2018 - Atualizado às : 14:29:04

Foto: energia.sp.gov.br
Foto: energia.sp.gov.br

A Advocacia-Geral da União (AGU) confirmou na Justiça a validade de resolução da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustível (ANP) que regulamenta a comercialização e entrega de botijões de GLP (gás liquefeito de petróleo).

A atuação ocorreu no âmbito de ação movida por empresas revendedoras de gás para questionar a legalidade da norma – que estabelece que o material só pode ser transportado por motocicletas com o uso de sidecars (compartimentos com uma roda a mais ao lado do veículo) ou reboque.

As empresas alegaram que a ANP teria extrapolado suas competências, uma vez que, no entendimento delas, tal norma somente poderia ter sido feita por meio de lei.

Mas a ação foi contestada pela Procuradoria Regional Federal da 1ª Região (PRF1) e pela Procuradoria Federal junto à ANP (PF/ANP). As unidades da AGU lembraram que as leis de criação das agências reguladoras conferem às entidades poderes normativos em sua área de atuação de forma a garantir o desenvolvimento nacional e proteger o interesse dos consumidores.

Atribuições

As procuradorias também ponderaram que a atividade de abastecimento de combustíveis é de utilidade pública, e como tal, está sujeita a regulamentação e fiscalização administrativas. Por fim, a AGU ressaltou que a Lei nº 9.478/97 conferir à ANP a atribuição de fiscalizar as atividades econômicas integradas à indústria do petróleo, gás natural e biocombustíveis, assim conferiu poder de polícia à autarquia.

A 2ª Vara Federal do Distrito Federal acolheu integralmente os argumentos levantados pela AGU, julgando improcedente o pedido da parte autora.

Referência: Processo nº 46431-87.2015.4.01.3400 – Justiça Federal do DF.

Luiz Flávio Assis Moura


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »