AGU garante continuidade de demarcação de terra indígena no MT

Imprimir: AGU garante continuidade de demarcação de terra indígena no MT Compartilhamento: AGU garante continuidade de demarcação de terra indígena no MT AGU garante continuidade de demarcação de terra indígena no MT AGU garante continuidade de demarcação de terra indígena no MT AGU garante continuidade de demarcação de terra indígena no MT
Publicado : 14/05/2018 - Atualizado às : 12:32:58

A Advocacia-Geral da União (AGU) garantiu junto ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) a continuidade da demarcação da  Terra Indígena Pequizal do Naruvôtu e a retirada de não índios da região, no Mato Grosso.

A demarcação havia sido suspensa por liminar concedida a um dos posseiros da região pela Justiça federal de Primeiro Grau. A decisão suspendia o decreto presidencial que homologou a demarcação e determinava a produção de laudos pela Fundação Nacional do Índio (Funai).  

No recurso ao TRF1, a AGU demonstrou que a comunidade indígena detém a posse em caráter permanente e o usufruto exclusivo das terras, o que exclui a posse ou ocupação de não-índios.

Os procuradores federais da AGU argumentaram que o artigo 231 da Constituição declara “nulos e extintos” atos que tenham por objeto terras tradicionalmente ocupadas por índios.

No recurso, foi apresentado ainda o histórico da demarcação, homologada em 2016, com estudos que apontam evidências históricas, antropológicas e etnográficas de ocupação indígena contínua na área desde o início do século XIX.

Segundo os procuradores, o relatório demonstrou que os indígenas foram forçados a viverem temporariamente no Parque Nacional do Xingu, diante da ameaça de extinção causada pela colonização da área.

Responsável pelo julgamento do recurso, a desembargadora do TRF1 Daniele Maranhão Costa acolheu os argumentos da AGU, restabeleceu os efeitos do decreto presidencial e a demarcação das terras.

“A posse permanente sobre as terras tradicionalmente ocupadas é garantia constitucional dos índios, sendo a demarcação uma forma de resguardar referido direito e de cunho meramente declaratório, buscando assim proteger a cultura, os costumes e as tradições indígenas”, afirmou a desembargadora.

Segundo a magistrada, ao ser comprovada a posse indígena por laudo antropológico e pela demarcação, todos os títulos de propriedade perdem seu respaldo jurídico.

Na decisão, a desembargadora destacou “iminente risco” para a vida dos índios a não demarcação das terras, com possível acirramento do “conflito agrário e uso da violência”.

Segundo dados da Funai, a Terra Indígena Pequizal do Naruvôtu abriga cerca de 1.500 índios numa área de 27,8 mil hectares, nos munícipios de Canarana e Gaúcha do Norte, a cerca de 630 quilômetros de Cuiabá.

Aturam no caso a Procuradoria-Regional Federal da 1ª Região (PRF1) e a Procuradoria Federal Especializada (PFE) junto à Funai, unidades da Procuradoria-Geral Federal (PGF), órgão da AGU.

Ref.: Agravo de Instrumento nº 13458-26.2017.4.01.0000 – TRF1

Marco Antinossi


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »