AGU pede leilão de 12 imóveis de fraudador do INSS para ressarcimento da autarquia

Imprimir: AGU pede leilão de 12 imóveis de fraudador do INSS para ressarcimento da autarquia Compartilhamento: AGU pede leilão de 12 imóveis de fraudador do INSS para ressarcimento da autarquia AGU pede leilão de 12 imóveis de fraudador do INSS para ressarcimento da autarquia AGU pede leilão de 12 imóveis de fraudador do INSS para ressarcimento da autarquia AGU pede leilão de 12 imóveis de fraudador do INSS para ressarcimento da autarquia
Publicado : 08/05/2018 - Atualizado às : 15:35:24

A Advocacia-Geral da União (AGU) entrou com petição na 2ª Vara da Seção Judiciária do Rio de Janeiro (SJRJ) defendendo a realização integral do leilão de 12 imóveis, no valor total de R$ 4,6 milhões, pertencentes ao ex-juiz Nestor do Nascimento, envolvido em fraudes contra o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Os imóveis foram hipotecados criminalmente após a condenação do réu em processo que já transitou em julgado.

A AGU solicitou o leilão de todos os bens para fins de ressarcimento aos cofres do INSS, tendo ocorrido o deferimento para dez imóveis. Os dois restantes tiveram seu leilão impugnado sob a alegação de que seriam patrimônio comum de cônjuges, a chamada meação. Contudo, os procuradores federais impetraram petição favorável ao leilão integral dos bens.

Na peça, foi ponderado que a hipoteca judicial dos bens foi executada como parte da pena imputada ao réu, para fins de restituição dos valores ao INSS. Também foi alegado que, conforme o artigo 3º, inciso VI, da Lei nº 8.009/90, a impenhorabilidade do bem de família não se aplica a imóveis adquiridos com produto de crime ou para execução de sentença penal condenatória a ressarcimento, indenização ou perdimento dos mesmos.

A AGU destacou a jurisprudência do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2), a qual prevê que o bem adquirido com o produto do crime não possui a proteção de bem de família, afastando expressamente o impedimento por meação.

Também foi ressaltado o entendimento de que se fosse admitido esse direito ao réu, o leilão deveria continuar, uma vez que se tratam de bens indivisíveis, conforme o artigo 894 do Código de Processo Civil (CPC).

Atua no processo grupo de trabalho especial junto ao INSS (GT-50-INSS) destacado pela Procuradoria-Regional Federal da 2ª Região (PRF2), unidade vinculada à Procuradoria-Geral Federal (PGF), um dos órgãos da AGU.

Atuação

O grupo de trabalho estabelecido pela PRF2 para atuação no processo obteve, até o momento, ressarcimento de danos ao INSS de R$ 6,75 milhões por parte do ex-juiz, valor relativo à repatriação de valores depositados em contas judiciais em outros países.

Ref.: processo nº 0000386-56.2003.4.02.5101 – 2ª Vara Federal do Rio de Janeiro.

Assessoria de Comunicação


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »