Advocacia-Geral cobra ressarcimento de R$ 600 milhões para Petrobras Distribuidora

Imprimir: Advocacia-Geral cobra ressarcimento de R$ 600 milhões para Petrobras Distribuidora Compartilhamento: Advocacia-Geral cobra ressarcimento de R$ 600 milhões para Petrobras Distribuidora Advocacia-Geral cobra ressarcimento de R$ 600 milhões para Petrobras Distribuidora Advocacia-Geral cobra ressarcimento de R$ 600 milhões para Petrobras Distribuidora Advocacia-Geral cobra ressarcimento de R$ 600 milhões para Petrobras Distribuidora
Publicado : 25/01/2018 - Atualizado às : 20:05:54

Foto: to.gov.br
Foto: to.gov.br

A Advocacia-Geral da União (AGU) ajuizou ação em que pede o ressarcimento de um prejuízo estimado em cerca R$ 600 milhões sofrido pela Petrobras Distribuidora (BR) com fraudes na construção de um terminal de combustíveis em Rondonópolis, no Mato Grosso.

Na ação, a Procuradoria-Regional da União na 2ª Região (unidade da AGU que atua no caso) também pede a anulação do negócio firmado entre a estatal, a Taranto Fundo de Investimento, a BRL Trust Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários e a WTorre Engenharia, em 2014, para construção e locação do terminal.

As irregularidades foram inicialmente descobertas com a ajuda de depoimento prestado em colaboração premiada do ex-diretor financeiro da estatal Nestor Cerveró no qual ele admitiu o recebimento de propina para realizar o negócio.

Posteriormente, investigações internas da Petrobras Distribuidora constataram sobrepreço e fraude na contratação sem licitação para as obras do Terminal de Rondonópolis, atual Base de Rondonópolis (BARON).

A fraude

A auditoria revelou que a BR possuía o direito de preferência de compra do imóvel onde seria construído o terminal, mas dirigentes da estatal indicaram um terceiro para comprá-lo e obter lucro com a operação alugando o bem de volta à estatal posteriormente.

Depois do imóvel ser adquirido por terceiro, os dirigentes utilizaram para justificar a contratação direta sem licitação o fato de que o terreno, necessário para as operações da empresa na região, pertencia a particular.

“Ou seja, a Petrobras Distribuidora concluiu ter havido claro direcionamento por parte de seus funcionários, em conjunto com agentes privados, decorrente da decisão de ex-funcionários da BR Distribuidora de não exercer direito de preferência a que faziam jus para a aquisição do terreno que, posteriormente, veio a ser objeto do contrato de locação atípica”, aponta a procuradoria na ação.

Ref.: Ação Civil Pública 0008099-57.2018.4.02.5101 – SJRJ.


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »