AGU comprova legalidade de multa aplicada por propaganda irregular de remédio

Imprimir: AGU comprova legalidade de multa aplicada por propaganda irregular de remédio Compartilhamento: AGU comprova legalidade de multa aplicada por propaganda irregular de remédio AGU comprova legalidade de multa aplicada por propaganda irregular de remédio AGU comprova legalidade de multa aplicada por propaganda irregular de remédio AGU comprova legalidade de multa aplicada por propaganda irregular de remédio
Publicado : 07/12/2017 - Atualizado às : 15:48:09

Imagem: blog.saude.gov.br
Imagem: blog.saude.gov.br

A Advocacia-Geral da União (AGU) comprovou na Justiça a legalidade de uma multa de R$ 34,4 mil aplicada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a um laboratório fabricante de genéricos por propaganda irregular em 2005.

Fiscais da Anvisa encontraram folhetos do laboratório em diversas farmácias com fotos e indicação de alguns genéricos. Um deles, no entanto, só poderia ser vendido sob prescrição médica, com retenção da receita, segundo normas da Anvisa.

Trata-se do citalopram, que atua no sistema nervoso central e possui efeitos colaterais, razão pela qual seu uso necessita de acompanhamento médico. De acordo com normas da Anvisa, a divulgação dessa substância deve ser discreta, baseada em informações cientificas, para evitar o uso indiscriminado.

O laboratório foi autuado, mas recorreu à Justiça para anular a multa. Na defesa, o fabricante alegou cerceamento do direito de defesa e prescrição da multa, uma vez que o processo administrativo instaurado permaneceu parado por mais de quatro anos.

Mas a Anvisa, representada pela Procuradoria-Regional Federal da 1ª Região (PRF1) e pela Procuradoria Federal, demonstrou que foi garantido ao laboratório o direito de defesa e que os recursos apresentados foram devidamente analisados pela agência.

Dentro do prazo

As unidades da AGU esclareceram, ainda, que a irregularidade foi encontrada em maio de 2005 e o processo administrativo instaurado em setembro do mesmo ano.

Em abril de 2008, o processo foi encaminhado para análise da área técnica, antes, portanto, do prazo final de prescrição, segundo o artigo 1º da Lei 9.873/99, que estabelece normas de punição pela Administração Pública federal.

Como não houve prescrição e o direito de defesa do laboratório foi assegurado, os procuradores da AGU defenderam a legalidade da multa aplicada em decorrência do poder de polícia atribuído à Anvisa pela Lei nº 9.782/99.

Responsável pelo julgamento da ação, o juízo da 22ª Vara do Distrito Federal acolheu os argumentos apresentados pela Anvisa e negou o pedido do laboratório.

O magistrado assinalou que “os atos decisórios da ré (Anvisa) se encontram devidamente motivados. Ainda, instruiu os autos do processo administrativo prova material da conduta infracional imputada à demandante (laboratório) ”.

Ref.: Ação Ordinária 3663-40.2015.4.01.3400 – SJDF.

Marco Antinossi


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »