Acordo assinado pela AGU permitirá conclusão da identificação de ossadas

Imprimir: Acordo assinado pela AGU permitirá conclusão da identificação de ossadas Compartilhamento: Acordo assinado pela AGU permitirá conclusão da identificação de ossadas Acordo assinado pela AGU permitirá conclusão da identificação de ossadas Acordo assinado pela AGU permitirá conclusão da identificação de ossadas Acordo assinado pela AGU permitirá conclusão da identificação de ossadas
Publicado : 01/12/2017 - Alterado : 02/12/2017

Foto: prefeitura.sp.gov.br
Foto: prefeitura.sp.gov.br

A Advocacia-Geral da União (AGU) celebrou termo de acordo em ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público Federal que garante a continuidade, até o final de 2018, do trabalho de identificação das ossadas encontradas em valas clandestinas do Cemitério de Perus, em São Paulo.

Pelo acordo, o custo de R$ 600 mil para a manutenção e funcionamento do Centro de Antropologia e Arqueologia Forense (CAAF) será dividido em três partes iguais entre o Ministério dos Direitos Humanos (MDH), o Ministério da Educação (MEC) e a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

O CAAF é o departamento da universidade que executa o projeto de identificação das ossadas por meio de um Acordo de Cooperação Técnica firmado com a União e o Município de São Paulo.

O desfecho positivo desta ação foi possível depois de algumas reuniões em Brasília entre os órgãos federais envolvidos na ação e quatro audiências de conciliação realizadas com representantes da AGU, Ministério dos Direitos Humanos, Município de São Paulo, Ministério Público Federal (MPF) e a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) no Gabinete de Conciliação do Tribunal Regional Federal da 3ª Região.

O caso foi escolhido para abrir a Semana Nacional da Conciliação em São Paulo, que foi promovida pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) entre os dias 27/11 e 1/12.

Histórico

A vala de Perus foi usada de 1972 até 1976 para esconder corpos de indigentes, vítima de violência policial e desaparecidos políticos, e só foi descoberta em setembro de 1990. Na época, familiares de desaparecidos exigiram a transferência do material (mais de mil caixas) para o Departamento de Medicina Legal da Unicamp – já que no Instituto Médico Legal de São Paulo ainda atuavam médicos legistas que assinaram laudos falsos de presos políticos mortos sob tortura.

Em 2001, as ossadas foram transferidas para o Cemitério do Araçá, na região central de São Paulo, e ficaram sob os cuidados da Universidade de São Paulo. Em 2014, foi feita uma parceria entre o município de São Paulo, a Comissão Especial de Desaparecidos Políticos e a Unifesp, cujo Centro de Antropologia e Arqueologia Forense (CAAF) passou a ser o responsável pela identificação, mas que teve seus trabalhos interrompidos em razão de cortes orçamentários.

O MPF ajuizou então uma ação pleiteando a conclusão dos trabalhos, e as partes envolvidas foram instadas à resolver o litígio por vias conciliatórias.

Giovana Tiziani


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »