AGU evita que aposentados com renda alta obtenham benefício da Justiça gratuita

Imprimir: AGU evita que aposentados com renda alta obtenham benefício da Justiça gratuita Compartilhamento: AGU evita que aposentados com renda alta obtenham benefício da Justiça gratuita AGU evita que aposentados com renda alta obtenham benefício da Justiça gratuita AGU evita que aposentados com renda alta obtenham benefício da Justiça gratuita AGU evita que aposentados com renda alta obtenham benefício da Justiça gratuita
Publicado : 10/10/2017 - Atualizado às : 16:01:19

Foto: trt6.gov.br
Foto: trt6.gov.br

A Advocacia-Geral da União (AGU) evitou que dois aposentados com elevados rendimentos obtivessem o benefício da Justiça gratuita, direito assegurado apenas às pessoas com insuficiência de recursos.

Em ações requerendo a desaposentação, os aposentados pleitearam a gratuidade da Justiça alegando não terem condições financeiras de pagar custas processuais e honorários de sucumbência, conforme o artigo artigo 98 do Código de Processo Civil (CPC/15) .

Nos dois casos, a Procuradoria-Regional Federal da 1ª Região (PRF1) e Procuradoria Federal Especializada junto ao Instituto Nacional de Seguro Social (PFE/INSS), unidades da AGU, demonstraram que os aposentados não se enquadravam nos critérios legais para a gratuidade.

Em apelação às Turmas Recursais dos Juizados Federais do Distrito Federal (JEF-DF), os procuradores provaram que os aposentados tinham rendimentos suficientes para arcar com as despejas judiciais.

Um deles tinha renda mensal total de cerca de R$ 12,2 mil. O outro contava com remuneração que ultrapassava o teto anual de isenção para pagamento de Imposto de Renda (IR).

Revogação

Ao julgar os recursos, a 1ª e a 3ª Turmas Recursais do JEF-DF acolheram os argumentos da AGU e revogaram a concessão de gratuidade de Justiça.

“No que tange à impugnação à gratuidade de Justiça, verifica-se que a parte autora não se enquadra no conceito de hipossuficiência financeira, pois sua remuneração mensal de R$ 7,8 mil é superior ao teto previdenciário na data do ajuizamento, além de receber os proventos de aposentadoria no importe de R$ 4,4 mil. Desse modo, revogo a concessão da gratuidade de Justiça”, destacou o voto vencedor na 1ª Turma.

Já a 3ª Turma salientou que “o juiz pode, diante do conjunto fático-probatório, entender que a parte requerente não faz jus aos benefícios a que alude o art. 98 do CPC/2015, e, por conseguinte, revogar a gratuidade de Justiça”.

Ref.: Processos nº 50397-24.2016.4.01.3400 e nº 62608-92.2016.4.01.3400 –JEF/DF.


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »