AGU demonstra na Justiça necessidade de intimação pessoal de procuradoria

Imprimir: AGU demonstra na Justiça necessidade de intimação pessoal de procuradoria Compartilhamento: AGU demonstra na Justiça necessidade de intimação pessoal de procuradoria AGU demonstra na Justiça necessidade de intimação pessoal de procuradoria AGU demonstra na Justiça necessidade de intimação pessoal de procuradoria AGU demonstra na Justiça necessidade de intimação pessoal de procuradoria
Publicado : 16/10/2017 - Alterado : 27/10/2017

Foto: Ascom/AGU
Foto: Ascom/AGU

A Advocacia-Geral da União (AGU) confirmou na Justiça do Trabalho a prerrogativa de intimação pessoal de Procuradoria Federal em ação envolvendo o Ministério Público do Trabalho e a Universidade Federal do Acre (UFAC).

A atuação conjunta da Procuradoria Federal no Acre (PF/AC), da Procuradoria Federal em Rondônia (PF/RO) e da Procuradoria Federal junto à UFAC, unidades da AGU, foi no sentido de demonstrar que a Súmula 197 do Tribunal Superior do Trabalho (TST) não se aplica aos procuradores federais.

A intimação de sentença foi feita na forma da súmula 197/TST, sem que fosse realizada a intimação pessoal da Procuradoria Federal. O enunciado preconiza que “o prazo para recurso da parte que, intimada, não comparecer à audiência em prosseguimento para a prolação da sentença conta-se de sua publicação”.

No caso, o Ministério Público do Trabalho (MPT) ajuizou a Ação Civil Pública contra a UFAC, alegando suposto descumprimento de normas trabalhistas. O juiz de 1º grau julgou integralmente procedente a ação. Como não houve a interposição de recurso, o magistrado entendeu ter transcorrido o prazo processual. O processo foi remetido então ao Tribunal Regional do Trabalho da 14ª Região (TRT14).

Os procuradores federais opuseram, então embargos de declaração, com efeitos modificativos, explicando que a intimação feita nos termos da Súmula 197 do TST não se aplica à Fazenda Pública.

Nulidade

Além disso, apontaram nulidade também pelo erro na intimação do acórdão, uma vez que foi expedida pela via eletrônica diretamente à caixa pessoal de procurador federal e não para a caixa da Procuradoria, órgão de representação do ente público.

“Inequívoco, pois, que a intimação deve ser realizada na Procuradoria (e não no procurador). Do contrário, estar-se-ia a admitir, por exemplo, que as intimações fossem feitas na caixa pessoal de procuradores que há muito não atuam nesta Procuradoria Federal no Estado do Acre, de modo que a unidade jamais teria conhecimento dos atos processuais em referência”, esclareceram os procuradores.

A 2ª Turma Recursal do TRT1 acolheu os argumentos da AGU e declarou a nulidade dos atos processuais posteriores à sentença, determinando o retorno dos autos à origem para que a Procuradoria Federal seja intimada pessoalmente da sentença.

Ref.: ACP nº 0001032-30.2016.5.14.0401 – TRT14.


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »