AGU derruba tentativa da Oi de impor parcelamento não previsto em lei

Imprimir: AGU derruba tentativa da Oi de impor parcelamento não previsto em lei Compartilhamento: AGU derruba tentativa da Oi de impor parcelamento não previsto em lei AGU derruba tentativa da Oi de impor parcelamento não previsto em lei AGU derruba tentativa da Oi de impor parcelamento não previsto em lei AGU derruba tentativa da Oi de impor parcelamento não previsto em lei
Publicado : 12/09/2017 - Alterado : 19/09/2017

Foto: anatel.gov.br
Foto: anatel.gov.br

A Advocacia-Geral da União (AGU) obteve liminar para impedir que a dívida da Oi com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) pudesse ser negociada e parcelada em desacordo com a legislação no âmbito de assembleia geral de credores.

A empresa deve quase R$ 12 bilhões referentes a multas aplicadas pela agência reguladora e incluiu a dívida em seu plano de recuperação judicial, que será submetido à deliberação de assembleia marcada para os próximos dias 9 e 23 de outubro. Mas a Procuradoria Federal Especializada junto à Agência Nacional de Telecomunicações (PFE/Anatel) acionou a Justiça do Rio de Janeiro para que os débitos com a entidade pública não fossem submetidos à deliberação de credores particulares.

A procuradoria argumentou que as cláusulas do plano de recuperação que incluíram a dívida com a Anatel são ilegais, uma vez que tentam estabelecer um parcelamento não previsto em lei para o poder público. Segundo a PFE/Anatel, a sistemática da recuperação judicial é de natureza negocial e não há equivalência de regras entre credores privados e públicos. “Isso ocorre justamente porque os créditos públicos estão sujeitos a regramentos legais completamente distintos dos créditos privados, não sendo passíveis de negociação própria dos credores privados que gozam de ampla liberdade para dispor de seus direitos”, assinalou.

Além disso, a procuradoria ressaltou que não faria sentido a própria lei que regulamenta a recuperação judicial (Lei nº 11.101/2005) prever formas de parcelamento dos créditos das fazendas públicas, se o plano de recuperação judicial, documento apreciado e aprovado por credores privados, já criasse, a seu próprio critério, parcelamento diferente e com condições não previstas em lei. Isso, segundo os procuradores federais, seria ofensa à competência do Poder Legislativo.

Reconhecendo a impossibilidade de negociação dos créditos da Anatel relativos às multas administrativas contra a Oi e inscritos em dívida ativa em nome da autarquia, o desembargador Cezar Augusto Rodrigues Costa, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, concedeu liminar para suspender as cláusulas do plano de recuperação da empresa até que a redação da proposta se adeque à legislação.

A PFE/Anatel é unidade da Procuradoria-Geral Federal, órgão da AGU.

Ref.: Agravo de Instrumento nº 0048971-21.2017.8.19.0000 – TJRJ.

Wilton Castro


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »