AGU defende no STF medida provisória editada para garantir fornecimento de energia

Imprimir: AGU defende no STF medida provisória editada para garantir fornecimento de energia Compartilhamento: AGU defende no STF medida provisória editada para garantir fornecimento de energia AGU defende no STF medida provisória editada para garantir fornecimento de energia AGU defende no STF medida provisória editada para garantir fornecimento de energia AGU defende no STF medida provisória editada para garantir fornecimento de energia
Publicado : 16/08/2017 - Alterado : 21/08/2017

Foto: brasil.gov.br
Foto: brasil.gov.br

A redefinição dos limites de unidades de conservação na Amazônia feita pela Medida Provisória nº 555/12 (depois convertida na Lei nº 12.678/12) observou a necessidade de proteger o meio ambiente e é fundamental para assegurar o fornecimento de energia para a população brasileira. É o que a Advocacia-Geral da União (AGU) defende em ação ajuizada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) que começou a ser julgada nesta quarta-feira (16/08) pelo Supremo Tribunal Federal.

A PGR entende que a alteração dos limites das unidades de conservação, promovida pelo governo federal para viabilizar a construção de cinco hidrelétricas na região (Jirau, Santo Antônio, Tabajara, São Luiz do Tapajós e Jatobá), só poderia ter sido feita por meio de lei, e não de medida provisória.

Contudo, a AGU explicou que a mudança precisava ser adotada com urgência que justificava a edição de medida provisória porque era imprescindível para que as necessidades de produção e fornecimento de energia elétrica do país fossem atendidas, uma vez que o licenciamento ambiental das usinas estava prejudicado pelo fato de que os lagos dos empreendimentos estavam situados dentro das unidades de conservação.

A Advocacia-Geral lembrou que cabe ao presidente da República fazer essa análise sobre a existência de urgência e relevância que justifique a edição de medida provisória, não cabendo ao Judiciário examinar o mérito desta decisão – salvo em exceções de evidente excesso ou abuso, que não é o caso –, sob pena de afronta ao princípio da separação dos poderes. Também foi pontuado que assuntos referentes ao meio ambiente não estão entre as matérias que a Constituição proíbe regulamentar por meio de medida provisória.

Considerações ambientais

Além disso, apontou a AGU, a edição da medida provisória observou as considerações do Ministério do Meio Ambiente e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), que deram aval para a redefinição dos limites das áreas desde que medidas compensatórias fossem adotadas.

“Essa redefinição teve um objetivo muito claro: viabilizar a execução de obras imprescindíveis para um planejamento estratégico que permite a manutenção do fornecimento de energia elétrica para a população brasileira. E essa redefinição foi feita com toda cautela, inclusive no tocante aos imperativos constitucionais inerentes à proteção ambiental”, argumentou a advogada-geral da União, ministra Grace Mendonça, em sustentação oral durante o julgamento. Grace lembrou que as usinas de Jirau e Santo Antônio, inclusive, já estão em plena operação e são fundamentais para a geração de energia elétrica do país.

O julgamento foi suspenso por um pedido de vista do ministro Alexandre de Moraes.

Ref.: ADI nº 4717 – STF.

Raphael Bruno


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »