AGU confirma sujeição de interina de cartório ao teto salarial do serviço público

Imprimir: AGU confirma sujeição de interina de cartório ao teto salarial do serviço público Compartilhamento: AGU confirma sujeição de interina de cartório ao teto salarial do serviço público AGU confirma sujeição de interina de cartório ao teto salarial do serviço público AGU confirma sujeição de interina de cartório ao teto salarial do serviço público AGU confirma sujeição de interina de cartório ao teto salarial do serviço público
Publicado : 13/07/2017 - Atualizado às : 17:37:37

Imagem: camaravc.ba.gov.br
Imagem: camaravc.ba.gov.br

A Advocacia-Geral da União (AGU) comprovou mais uma vez, na Justiça Federal, que interinos de cartórios estão submetidos ao teto remuneratório do serviço público.

A discussão ocorreu após a interina responsável pelo Cartório do 1º Ofício da Comarca de Itaibana (SE) ajuizar ação para não se sujeitar ao teto salarial, sob o argumento de que tabeliães e registradores não podem ser confundidos com servidores públicos – sobre quem incide a limitação.

O pedido foi negado em primeira instância, mas a autora da ação recorreu ao Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5). No tribunal, as unidades da AGU que atuaram no caso (Procuradoria da União em Sergipe e Procuradoria-Regional da União na 5ª Região) argumentaram que o serviço extrajudicial prestado pelos cartórios é sempre do Estado, uma vez que se trata de uma de suas competências administrativas residuais e é fiscalizado pelo Poder Judiciário local e pelo Conselho Nacional de Justiça.

As procuradorias ressaltaram que a autora da ação não havia recebido do Estado uma delegação para prestar o serviço, sendo apenas uma interina designada como responsável pelos trabalhos da serventia até que nova delegação para outro candidato aprovado em concurso público fosse feita. Os advogados da União explicaram que a figura do interino (o substituto mais antigo da serventia) foi criada em atenção ao princípio da continuidade do serviço público, de modo a impedir que os cartórios parassem de funcionar até que nova seleção fosse realizada.

Dessa maneira, não é possível dar aos interinos o mesmo tratamento jurídico oferecido às serventias regularmente providas por concurso, inclusive no que diz respeito à remuneração.

A Terceira Turma do TRF5 acolheu os argumentos apresentados pela AGU e manteve a decisão de primeira instância, negando provimento à apelação e reconhecendo que os responsáveis interinos por cartórios estão sujeitos ao teto remuneratório do serviço público.

A PU/SE e a PRU5 são unidades da Procuradoria Geral da União, órgão da AGU.

Ref.: 0802517-52.2015.4.05.8500 - TRF5.

Nathália Caeiro/Raphael Bruno


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »