Membros da AGU participarão do julgamento de atletas flagrados no antidoping

Imprimir: Membros da AGU participarão do julgamento de atletas flagrados no antidoping Compartilhamento: Membros da AGU participarão do julgamento de atletas flagrados no antidoping Membros da AGU participarão do julgamento de atletas flagrados no antidoping Membros da AGU participarão do julgamento de atletas flagrados no antidoping Membros da AGU participarão do julgamento de atletas flagrados no antidoping
Publicado : 17/05/2017 - Alterado : 19/05/2017

Foto: brasil2016.gov.br
Foto: brasil2016.gov.br

A advogada da União Tatiana Mesquita Nunes e o procurador federal Humberto Fernandes de Moura irão integrar, pelos próximos três anos, o Tribunal de Justiça Desportiva Antidopagem (TJDA) – entidade responsável por julgar violações das regras antidopagem por atletas brasileiros e aplicar as penalidades cabíveis.

Além deles, o procurador federal Ricardo Marques de Almeida será o procurador da Justiça Antidopagem, que será acionado para formular as representações contra atletas e levá-las para apreciação do tribunal quando a Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD) – responsável por realizar os testes dentro e fora das competições esportivas amadoras e profissionais que ocorrem no país – detectar problemas em amostras.

Tatiana Nunes é consultora jurídica da Secretaria de Direitos Humanos. Humberto Fernandes de Moura, consultor jurídico adjunto do Ministério do Esporte. Ambos são especialistas em legislação esportiva. Eles se juntaram a outros sete integrantes do tribunal, entre eles médicos esportivos e ex-atletas. Já Ricardo Marques é procurador-chefe da Autoridade de Governança do Legado Olimpíco (AGLO).

Para o procurador federal Tamoio Athayde Marcondes, consultor jurídico do Ministério dos Esportes, os membros da AGU darão uma contribuição valiosa para o tribunal. “A dopagem é, em todo mundo, uma questão de respeito ao fair play, de ordem pública e de proteção à saúde do atleta. Assim sendo, a AGU, que já atua na formulação das políticas de saúde pública no âmbito do fomento, fiscalização e regulamentação em órgãos como Ministério da Saúde, Anvisa e ANS, passa a ter participação decisiva no inovador Tribunal de Antidopagem”, avalia.

Funcionamento

O tribunal, que já conta com um regimento interno e um presidente eleito (o advogado Luciano Hostins), se reuniu pela primeira vez em abril deste ano, e começou a funcionar efetivamente no dia 9 de maio. A próxima reunião do colegiado será no dia 19/06. Ele irá julgar apenas casos de dopagem, não interferindo nas competências dos tribunais de Justiça desportiva que já existem e que, via de regra, apreciam questões disciplinares.

Além de avaliar os casos de dopagem registrados no Brasil, o tribunal também terá a atribuição de homologar decisões proferidas por organismos internacionais de controle. A criação do colegiado e da Justiça Desportiva Antidopagem como um todo atende exigência da Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês) e coloca o Brasil em conformidade com convenção da Unesco assinada por diversos países.

A realização de testes antidopagem já foi retomada pela ABCD em abril. Só na primeira semana de maio, mais de 150 exames foram realizados em eventos como a final da Superliga Masculina de Vôlei, em Belo Horizonte (MG); o Troféu Maria Lenk, no Rio de Janeiro (RJ); e o Campeonato Brasileiro de Triatlo, em João Pessoa (PB).

Raphael Bruno


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »