Valores devidos pelo INSS devem ser corrigidos pela TR

Imprimir: Valores devidos pelo INSS devem ser corrigidos pela TR Compartilhamento: Valores devidos pelo INSS devem ser corrigidos pela TR Valores devidos pelo INSS devem ser corrigidos pela TR Valores devidos pelo INSS devem ser corrigidos pela TR Valores devidos pelo INSS devem ser corrigidos pela TR
Publicado : 04/05/2017 - Atualizado às : 18:21:15

Imagem: brfreepik.com
Imagem: brfreepik.com

A Advocacia-Geral da União (AGU) consolidou, junto à Turma Recursal do Distrito Federal, o precedente de que deve ser aplicada a Taxa Referencial (TR) para atualização monetária de valores devidos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) a título de pagamento retroativo de benefício previdenciário concedido judicialmente.

A tese foi confirmada pela Procuradoria-Regional Federal da 1ª Região (PRF1) e pela Procuradoria Federal Especializada junto à autarquia previdenciária (PFE/INSS) em recurso apresentado contra acórdão que deferiu benefício previdenciário a uma segurada em junho de 2011. A decisão havia estabelecido como critério de correção monetária o previsto no Manual de Cálculos da Justiça Federal.

Diante da homologação dos cálculos apresentados pela autora, que levou em conta o INPC para a correção monetária, as procuradorias apontaram que foi desconsiderado entendimento firmado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) quanto ao tema. 

Os procuradores federais alertaram que, durante o julgamento das Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADIs) nº 4.357 e nº 4.425, o STF não afastou a utilização da TR como índice de correção monetária para atualização de condenações impostas à Fazenda Pública anteriores à data da requisição de precatório ou RPV.

Previsto em lei

Com base no julgado pela Suprema Corte, as procuradorias ressaltaram que ainda deve ser respeitado, integralmente, o disposto no artigo 1º-F, da Lei nº 9.494/97, em consonância com a redação dada pelo artigo 5º da Lei nº 11.960/09, de 29 de junho de 2009, que impõe a incidência da TR nos cálculos da correção monetária e do índice aplicado à caderneta de poupança para os juros de mora na atualização dos valores devidos pela Fazenda Pública.

Por unanimidade, a Turma Recursal do DF deu provimento ao recurso da AGU, entendendo que deve ser aplicado como indexador da correção monetária a TR, critério de correção vigente no Manual de Cálculos na data do acórdão (21/03/2011), que “aplicava o art. 1º-F da Lei 9.494197 às condenações impostas à Fazenda Pública (índices oficiais de remuneração básica da caderneta de poupança – Taxa Referencial)”.

A PRF1 e a PFE/INSS são unidades da Procuradoria-Geral Federal, órgão da AGU.

Ref.: 0000380-46.2015.4.01.9340 – Turma Recursal do Distrito Federal.

Wilton Castro


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »