AGU derruba liminar que colocava recuperação financeira da Petrobras em risco

Imprimir: AGU derruba liminar que colocava recuperação financeira da Petrobras em risco Compartilhamento: AGU derruba liminar que colocava recuperação financeira da Petrobras em risco AGU derruba liminar que colocava recuperação financeira da Petrobras em risco AGU derruba liminar que colocava recuperação financeira da Petrobras em risco AGU derruba liminar que colocava recuperação financeira da Petrobras em risco
Publicado : 02/05/2017 - Alterado : 11/05/2017

Foto: blog.planalto.gov.br
Foto: blog.planalto.gov.br

A Advocacia-Geral da União (AGU) conseguiu derrubar, na Justiça, liminar que colocava em risco a recuperação financeira da Petrobras. A atuação ocorreu contra decisão proferida pela 2ª Vara Federal de Sergipe que havia suspendido a cessão de 66% da participação da estatal no bloco exploratório do Campo de Carcará, na Bacia de Santos – uma operação pela qual a Petrobras já recebeu US$ 1,25 bilhão.

O juiz que havia concedido a liminar entendeu existir indícios de que a Petrobras não observou os procedimentos licitatórios adequados durante a venda da participação. Além de suspender a operação, o magistrado proibiu, até deliberação posterior, qualquer nova alienação referente ao campo, bem como sua exploração pela empresa que o adquiriu – a petroleira norueguesa Statoil. A liminar também havia fixado uma multa diária de R$ 4 bilhões em caso de descumprimento da decisão.

A União ingressou no processo como parte interessada, tendo em vista que é a principal acionista e controladora da Petrobras. Por meio da Procuradoria-Regional da União na 5ª Região (PRU5), a AGU pediu a suspensão da liminar ao Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5).

No pedido, a unidade da AGU explicou que a venda da participação foi realizada de acordo com a Lei nº 9.478/97 (Lei do Petróleo) e com o Decreto nº 2.745/98 – que regulamentou o uso de procedimentos licitatórios simplificados pela Petrobras. A procuradoria também destacou que a Constituição Federal (artigo 173, § 1º, inciso II) autoriza a estatal a atuar, em suas atividades civis e comerciais, nos mesmos moldes que as empresas privadas; e que o Tribunal de Contas da União (TCU) já reconheceu (Acórdão nº 442/17) que suspender negociações de ativos da Petrobras que já estejam em estágio avançado traria mais prejuízo do que o uso da modalidade de licitação convite adotada pela estatal nas vendas.

“Em momento algum, a Petrobras realizou tais operações sem a observância de um procedimento licitatório. O que fez foi, à luz das normas licitatórias e dos princípios constitucionais a ela aplicáveis, elaborar um procedimento licitatório pautados nos termos do Decreto nº 2.745/98, com as especificidades e desdobramentos que a natureza do negócio requer, de forma a obter as propostas mais vantajosas”, ponderaram os advogados da União.

Dívida

A Advocacia-Geral também lembrou que as vendas da participação no Campo do Carcará e de outros ativos são fundamentais para o sucesso do plano de desinvestimento que tem como objetivo restaurar a saúde financeira da Petrobras, hoje comprometida por uma dívida que chega a R$ 398 bilhões e é cinco vezes maior do que sua geração de caixa atual. A AGU alertou que, caso as vendas de ativos sejam prejudicadas por decisões judiciais, a petrolífera precisará de novos aportes financeiros da União – que por sua vez não está em condições orçamentárias de fazê-los – e ainda assim deverá deixar de realizar outros investimentos prioritários para pagar dívidas, comprometendo a rentabilidade futura da empresa.

A procuradoria apontou, ainda, que a liminar poderia atrasar a própria exploração do campo – o que retardaria a geração de empregos e recebimento de royalties e tributos por União, estados e municípios – além de colocar sob risco a próxima rodada de licitação em áreas adjacentes ao Campo do Carcará, uma vez que a insegurança jurídica poderia desestimular ofertas das empresas petrolíferas.

“Constata-se, desta forma, o risco de lesão grave à ordem econômica, na medida em que o determinado pelo juízo prejudica não só o programa de desinvestimentos da Petrobras, mas a própria segunda rodada de licitação sob regime de partilha, fadando-a ao insucesso”, assinalou a procuradoria, acrescentando, também que apenas a fixação de multa no “inconcebível” valor de R$ 4 bilhões já justificaria a suspensão da liminar, uma vez que afronta os parâmetros de razoabilidade e de proporcionalidade e que o valor arrecadado pela Petrobras com a venda da participação no campo já foi integralmente utilizado para amortizar dívida de uma subsidiária (Transportadora Associada de Gás/TAG) junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Decisão

Responsável por analisar o pedido de suspensão da liminar, o presidente do TRF5, desembargador federal Manoel de Oliveira Erhardt, reconheceu que o cumprimento da decisão implicaria grave lesão à economia pública, tendo em vista que a venda já havia sido concluída e que o valor arrecadado com a operação já havia sido integralmente utilizado.

“Verifica-se, ainda, que a manutenção dos efeitos da decisão acarretará prejuízo à credibilidade da Petrobras e do seu Programa de Parcerias e Desinvestimento, principal instrumento de captação de recursos para a estatal neste momento de grave crise econômica, o que poderá exigir a realização de aportes financeiros pela União, cujo orçamento já se encontra comprometido, impossibilitando a realização de investimentos em setores sensíveis, a exemplo de áreas sociais”, concluiu o presidente do TRF5 na decisão em que acolheu o pedido para suspender a liminar.

Ref.: Suspensão de Liminar nº 0803510-16.2017.4.05.0000 – TRF5.

Raphael Bruno


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »

Imagens Relacionadas

Foto: blog.planalto.gov.br
Imagem: Agência Petrobras