Para AGU, procurador da Lava Jato deve ser protegido de retaliações indevidas

Imprimir: Para AGU, procurador da Lava Jato deve ser protegido de retaliações indevidas Compartilhamento: Para AGU, procurador da Lava Jato deve ser protegido de retaliações indevidas Para AGU, procurador da Lava Jato deve ser protegido de retaliações indevidas Para AGU, procurador da Lava Jato deve ser protegido de retaliações indevidas Para AGU, procurador da Lava Jato deve ser protegido de retaliações indevidas
Publicado : 16/03/2017 - Alterado : 21/03/2017

Foto: Fernando Frazão/Abr
Foto: Fernando Frazão/Abr

A independência e o funcionamento adequado do Ministério Público estarão comprometidos se os autores de ações penais ficarem sujeitos a retaliações por parte dos acusados de atos ilícitos. É o que a Advocacia-Geral da União (AGU) argumenta em defesa do procurador da República Deltan Dallagnol, alvo de ação em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pede R$ 1 milhão de indenização por danos morais que alega ter sofrido por causa da atuação do membro do Ministério Público Federal no âmbito da operação Lava Jato.

A AGU está representando judicialmente o procurador no processo a pedido dele próprio e conforme previsão do artigo 22 da Lei nº 9.028/95. O dispositivo estabelece que a Advocacia-Geral poderá representar em juízo agentes da administração pública federal quando eles responderem a processos judiciais em decorrência de atos praticados no cumprimento de dever, como é o caso.

Na contestação entregue à 5ª Vara Cível da Comarca de São Bernardo do Campo (SP) – onde a ação foi ajuizada – os advogados da União lembram que os agentes públicos não podem responder diretamente por eventuais danos causados a terceiros. De acordo com o artigo 37 da Constituição Federal e a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF), a administração pública deve responder por tais danos e posteriormente buscar o ressarcimento junto ao agente, caso fique evidenciado que este agiu com dolo ou culpa.

Da mesma forma, observa a AGU, o novo Código de Processo Civil também traz previsão expressa de que os membros do MP respondem apenas regressivamente, e não diretamente, por atos praticados no exercício das suas funções. De acordo com a Advocacia-Geral, a garantia é fundamental para assegurar a independência e o correto funcionamento do Ministério Público.

Prestação de contas

A Advocacia-Geral também assinala que a divulgação de denúncia apresentada contra o ex-presidente por meio de entrevista coletiva obedeceu ao princípio constitucional da publicidade, à Lei de Acesso à Informação (Lei 12.527/11) e à Portaria PGR/MPF nº 918/13, que impõe o dever de o Ministério Público Federal divulgar sua atuação em casos que tenham grande alcance, efeito paradigmático ou caráter pedagógico.

Segundo a AGU, durante a referida coletiva, Dallagnol em nenhum momento buscou denegrir a imagem do ex-presidente, apenas fazendo analogias de caráter informativo que auxiliaram tanto a imprensa quanto a sociedade a compreenderem corretamente a denúncia. “A finalidade, portanto, era proporcionar explicações mais didáticas sobre os fatos investigados. Desse modo, os objetivos estritos da entrevista foram informar a sociedade, dar transparência à atividade do Ministério Público e prestar contas à população em caso de grande alcance nacional e internacional”, completou a PRU3.

Os advogados da União ressaltam, ainda, que de acordo com jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça (STJ), a quantia pleiteada pelo ex-presidente não é concedida nem mesmo em casos de indenização por morte. E que a ação deve ser julgada pela Justiça Federal, já que envolve a atuação do procurador na Lava Jato e, portanto, na investigação de crimes que lesaram os cofres da União.

Honorários

A AGU também pede a condenação do ex-presidente a pagar honorários advocatícios em 5% do valor da causa, caso a ilegitimidade de Dallagnol para figurar no polo passivo do processo seja reconhecida; ou em 20%, caso o pedido de indenização seja julgado improcedente.

Ref.: Processo nº 1031504-08.2016.8.26.0564 – 5ª Vara Cível da Comarca de São Bernardo do Campo (SP).

Raphael Bruno


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »