AGU evita que leilão de concessão de quatro aeroportos sofra empecilhos judiciais

Imprimir: AGU evita que leilão de concessão de quatro aeroportos sofra empecilhos judiciais Compartilhamento: AGU evita que leilão de concessão de quatro aeroportos sofra empecilhos judiciais AGU evita que leilão de concessão de quatro aeroportos sofra empecilhos judiciais AGU evita que leilão de concessão de quatro aeroportos sofra empecilhos judiciais AGU evita que leilão de concessão de quatro aeroportos sofra empecilhos judiciais
Publicado : 15/03/2017 - Alterado : 16/03/2017

Foto: copa2014.gov.br
Foto: copa2014.gov.br

A Advocacia-Geral da União (AGU) evitou que o leilão de concessão de quatro aeroportos (Fortaleza, Salvador, Florianópolis e Porto Alegre), marcado para esta quinta-feira (16/03), fosse prejudicado por ações judiciais. A expectativa é de que o procedimento possibilite investimentos de mais de R$ 6 bilhões nos terminais aeroportuários, além de uma arrecadação de mais de R$ 3 bilhões com as outorgas.

A atuação mais recente ocorreu em ação na qual um grupo de construtoras (Consbem, Paulo Octavio, MPE e Consórcio CPM Novo Fortaleza) pleiteava que a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) fosse obrigada a informar os licitantes que determinadas construções referentes a obras inacabadas do Aeroporto Pinto Martins, de Fortaleza, estariam “alienadas”. A discussão sobre as edificações parciais, feitas pelas empresas que propuseram a ação, é objeto de outro processo, referente à rescisão administrativa de contratos de realização de obras de ampliação do aeroporto.

A Procuradoria-Regional Federal da 1ª Região (PRF1) e a Procuradoria Federal junto à Anac (PF/Anac) – unidades da AGU que atuaram no caso – esclareceram que a discussão sobre a rescisão dos contratos não tem o condão de afetar o edital da Anac ou mesmo o(s) vencedor(es) do leilão, uma vez que a licitação tem como objetivo a concessão de um serviço público e não uma alienação de bens; e que os bens discutidos na Justiça são reversíveis à União e só podem ser utilizados na prestação de serviços públicos.

De acordo com as procuradorias, o novo concessionário poderá optar, de acordo com seu próprio projeto de ampliação do aeroporto, entre utilizar ou não as estruturas parcialmente construídas. E não precisará pagar qualquer tipo de indenização às autoras da ação, razão pela qual elas sequer teriam legitimidade para requerer a comunicação para os licitantes do leilão e demais interessados.

Prejuízo

Os procuradores federais também alertaram sobre os prejuízos que eventual acolhimento do pleito das construtoras traria para o leilão. “A comunicação a todos os interessados e participantes do Leilão tem o condão de provocar uma perturbação diante da sinalização de risco do negócio. E esta percepção de risco aumentado é uma preocupação muito relevante dos licitantes, especialmente quando se tratam de empresas estrangeiras. E a forma como o investidor privado se protege de risco é a redução do preço, que no caso do modelo deste leilão se traduz em uma menor oferta pelo pagamento da outorga”, ponderaram.

A 14ª Vara Federal do DF acolheu os argumentos das procuradorias e extinguiu o processo sem resolução de mérito. Esta foi a terceira ação em que unidades da AGU evitaram que o leilão fosse prejudicado por empecilhos judiciais. Outras duas que questionavam a concessão do Aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, já haviam sido ajuizadas por sindicatos e rejeitadas pela Justiça Federal após atuação dos procuradores federais.

A PRF1 e a PF/Anac são unidades da Procuradoria-Geral Federal, órgão da AGU.

Ref.: Processo nº 10384-46.2017.4.01.3400 – Justiça Federal do DF e Ações Civis Públicas nº 5076329-97.2016.4.04.7100/RS e nº 5085454-89.2016.4.04.7100/RS – Justiça Federal de Porto Alegre (RS).

Raphael Bruno


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »