AGU demonstra validade de resoluções que disciplinam armazenagem de sangue umbilical

Imprimir: AGU demonstra validade de resoluções que disciplinam armazenagem de sangue umbilical Compartilhamento: AGU demonstra validade de resoluções que disciplinam armazenagem de sangue umbilical AGU demonstra validade de resoluções que disciplinam armazenagem de sangue umbilical AGU demonstra validade de resoluções que disciplinam armazenagem de sangue umbilical AGU demonstra validade de resoluções que disciplinam armazenagem de sangue umbilical
Publicado : 16/12/2016 - Alterado : 24/01/2017

A Advocacia-Geral da União (AGU) demonstrou, no Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2), a legalidade das resoluções ns. 153/2014 e 55/2010 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que estabelecem critérios para o armazenamento e o descarte de unidades de sangue de cordão umbilical e placentário no Brasil.

As normas foram questionadas em ação movida pela Cryoprxis – Criobiologia LTDA, empresa que pretendia obter autorização da Justiça para se esquivar do cumprimento das regras.  A companhia alegou que, ao exigir o descarte das unidades de sangue do cordão umbilical e placentário com quantidade inferior a milhões de células nucleadas totais, as resoluções impediriam o avanço da medicina no campo das pesquisas realizadas com células-tronco.

No entanto, a Procuradoria-Regional Federal da 2ª Região (PRF2), unidade da AGU que atuou no caso, defendeu que não há qualquer ilegalidade na regulamentação do critério de coleta, processamento e armazenamento do material.

Critérios técnicos

Com base em pareceres técnicos, os procuradores lembraram que os parâmetros de aceitação do material coletado para a realização da terapia celular seguem a mesma linha adotada nos países mais desenvolvidos na matéria e levam em consideração as ponderações de risco e benefício de sua utilização. São considerados o estado da medicina atual, as estatísticas da necessidade de se vir a necessitar de tais células armazenadas e os custos envolvidos.

A Advocacia-Geral lembrou, ainda, que “o descarte do material não implica na impossibilidade de se obter, futuramente, por outras fontes, as células-tronco que vierem ser necessárias para um eventual uso, até mesmo para os tratamentos que hoje são promessas da medicina regenerativa”

Segundo a AGU, a intenção da empresa de se livrar do cumprimento das normas “contribui negativamente para a intenção da Anvisa de proteger o consumidor do serviço de coleta de material genético contra informações incompletas por quem os oferece negocialmente”.

Decisão

Responsável pela análise do caso, o desembargador federal Marcelo Pereira da Silva concordou com os argumentos da AGU e reiterou que é competência da Anvisa estabelecer os métodos para coleta, armazenamento e descarte de sangue de cordão umbilical e placentário. De acordo com o magistrado, o Judiciário violaria o princípio da separação dos poderes caso impedisse tal regulamentação. O voto que negou seguimento ao recurso interposto pela empresa foi seguido pela unanimidade da 8ª Turma Especializada do TRF2.

A PRF2 é uma unidade da Procuradoria-Geral Federal, órgão da AGU.

Ref.: Processo 0000350-96.2012.4.02.5101 – TRF2.

Rafael Braga


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »