Procuradores federais recuperam imóveis doados pelo Incra que haviam sido abandonados

Imprimir: Procuradores federais recuperam imóveis doados pelo Incra que haviam sido abandonados Compartilhamento: Procuradores federais recuperam imóveis doados pelo Incra que haviam sido abandonados Procuradores federais recuperam imóveis doados pelo Incra que haviam sido abandonados Procuradores federais recuperam imóveis doados pelo Incra que haviam sido abandonados Procuradores federais recuperam imóveis doados pelo Incra que haviam sido abandonados
Publicado : 17/05/2016 - Atualizado às : 15:26:12

Foto: zedoca.ma.gov.br
Foto: zedoca.ma.gov.br
A Advocacia-Geral da União (AGU) obteve liminar que determinou a devolução de dois imóveis que haviam sido doados pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) para a implantação de projeto social e cultural.

Localizados em Brazlândia (DF), os bens foram repassados para a Fundação Assistencial dos Servidores do Incra (Fassincra). Contudo, a autarquia constatou que os imóveis, em "estado de abandono" e incendiados, haviam sido dados como garantia de dívidas da Fassincra e estariam prestes a serem leiloados, após a insolvência da fundação ser declarada.

Após dar oportunidade de a Fassincra se defender, o Incra editou a Resolução nº 2/2016. A norma determinou a devolução ao patrimônio da autarquia dos imóveis doados, em razão do descumprimento do encargo estabelecido no momento da doação, e autorizou a adoção das medidas legais necessárias.

Além disso, diante da iminência da perda dos imóveis, a Procuradoria-Regional Federal da 1ª Região (PRF1) e a Procuradoria Federal Especializada junto à autarquia (PF/Incra) ajuizaram ação, com pedido de liminar, para assegurar a imediata reversão da doação dos bens.

As unidades da AGU também solicitaram o bloqueio das matrículas no registro de imóveis. Argumentaram que, conforme o estabelecido no acordo de doação e na Lei nº 5.954/73, o direito da Fassincra à propriedade dos imóveis extinguiu-se automaticamente com o descumprimento do encargo.

Os advogados públicos ainda sustentaram que a doação com encargo preserva a impenhorabilidade do bem público. Segundo eles, não se pode falar em "liberação do ônus pelo tempo decorrido - qualquer que seja ele -, muito menos, em liberação pelo cumprimento por determinado período, visto que no momento que os bens deixaram de ser destinados para os fins propostos na doação, sobrevém o descumprimento do encargo".

A 17ª Vara do Distrito Federal acolheu os argumentos apresentados pela AGU e concedeu a liminar. O magistrado reconheceu a legalidade da revogação da doação e ainda determinou o bloqueio das matrículas no registro de imóveis até o julgamento do mérito do caso.

A PRF1 e a PFE/Incra são unidades da Procuradoria-Geral Federal, órgão da AGU.

Filipe Marques
 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »