AGU pede no TCU atuação conjunta dos órgãos de controle para enfrentar corrupção

Imprimir: AGU pede no TCU atuação conjunta dos órgãos de controle para enfrentar corrupção Compartilhamento: AGU pede no TCU atuação conjunta dos órgãos de controle para enfrentar corrupção AGU pede no TCU atuação conjunta dos órgãos de controle para enfrentar corrupção AGU pede no TCU atuação conjunta dos órgãos de controle para enfrentar corrupção AGU pede no TCU atuação conjunta dos órgãos de controle para enfrentar corrupção
Publicado : 17/03/2015 - Alterado : 20/03/2015

Foto: Wesley Mcallister/AscomAGU
Foto: Wesley Mcallister/AscomAGU
A Advocacia-Geral da União (AGU) defendeu, em petição enviada nesta terça-feira (17/03) ao Tribunal de Contas da União (TCU), a necessidade dos órgãos de controle atuarem em conjunto e compartilharem informações que possam ser úteis no combate à corrupção. No documento, é argumentado que a abordagem seria muito mais eficaz para coibir e punir irregularidades do que a postura de um órgão para tentar impedir que outro exerça sua competência legal sobre o assunto. De acordo com a AGU, é dessa forma que o Ministério Público junto ao TCU age ao solicitar que a Controladoria-Geral da União (CGU) seja proibida de celebrar acordos de leniência com empresas investigadas pela Operação Lava Jato que já não tenham feito acertos com o próprio Ministério Público Federal (MPF).

"Não se nega a tese de que a atuação harmônica e sinérgica dos órgãos e instituições de controle melhor concorreria para o combate e punição da corrupção. Entretanto, no caso da Operação Lava Jato, tal intento poderia ser mais facilmente atingido não com a inibição de expressa competência legal atribuída à Controladoria-Geral da União, mas com o compartilhamento com aquele órgão de fatos e dados de que dispusesse o Ministério Público", afirma o Departamento de Assuntos Extrajudiciais (Deaex) da AGU na petição em que é solicitada ao TCU a rejeição do pedido formulado pelo MP.

Foi lembrado, ainda, que a CGU e o Ministério Público Federal têm um longo histórico de parceria no combate à corrupção. Os dois órgãos mantêm acordo de cooperação técnica que prevê a troca recíproca de informações e já realizaram várias operações conjuntas. Além disso, centenas de ações penais e civis propostas pelo MPF foram baseadas em trabalhos da Controladoria.

O Deaex destacou, ainda, que a própria Operação Lava Jato é resultado da atuação conjunta do Judiciário com um órgão da administração pública, a Polícia Federal, de maneira que "não há razões concretas para se inferir que a CGU esteja se preparando para perpetrar um golpe contra o interesse da coletividade em favor de interesses das empresas que solicitam um acordo de leniência".

Para a unidade da AGU, o que o MP junto ao TCU faz ao requerer que a CGU seja impedida de realizar tais acordos é, na verdade, pedir para que a norma que prevê o uso do instrumento, a Lei Anticorrupção (Lei nº 12.846/13), não seja cumprida. De acordo com o Deaex, a solicitação do MP funciona como uma tentativa indireta de declarar a invalidade da lei, o que só poderia ser feito por meio de Ação Direta de Inconstitucionalidade no Supremo Tribunal Federal (STF), e não através de um pedido para que o TCU determine a um órgão que não exerça competências previstas em lei.

O Deaex é uma unidade da Consultoria-Geral da União, órgão da AGU.

Raphael Bruno
 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »