Advogados evitam suspensão do concurso da Polícia Rodoviária Federal

Imprimir: Advogados evitam suspensão do concurso da Polícia Rodoviária Federal Compartilhamento: Advogados evitam suspensão do concurso da Polícia Rodoviária Federal Advogados evitam suspensão do concurso da Polícia Rodoviária Federal Advogados evitam suspensão do concurso da Polícia Rodoviária Federal Advogados evitam suspensão do concurso da Polícia Rodoviária Federal
Publicado : 03/07/2014 - Alterado : 06/08/2014

Fonte da foto: picarras.sc.gov.br
Fonte da foto: picarras.sc.gov.br
A Advocacia-Geral da União (AGU) afastou, na Justiça, a tentativa de anulação do Edital nº 01/2013 do Centro de Promoção e Realização de Eventos da Universidade de Brasília/DF (Cespe/UNB) para concurso público da Polícia Rodoviária Federal (PRF). A decisão evitou a classificação irregular de candidato que não atendia as regras do concurso.

No caso, um candidato realizou o concurso público para o cargo de policial rodoviário federal, na condição de portador de deficiência e foi aprovado nas três primeiras fases da 1ª etapa do concurso (provas objetiva e discursiva e o teste físico). No entanto, ele foi desclassificado na fase de avaliação de saúde e ajuizou uma ação para anular o ato que impediu que continuasse na disputa.

A Procuradoria da União no Rio Grande do Norte (PU/RN) explicou que o candidato foi desclassificado por possuir deficiência auditiva no ouvido esquerdo maior que a tolerada no edital do concurso. Os advogados da União informaram que foi constatado que o candidato não se enquadrava nas condições para exercício das atribuições do cargo, pois possuía perda auditiva neurossensorial profunda em orelha esquerda, com limiares auditivos menores ou iguais a 90 decibéis em todas as frequências tonais.

A AGU esclareceu que o edital do concurso exclui candidatos considerados pessoas com deficiência "perda auditiva maior que 55 decibéis, isoladamente ou não, nas frequências de 500, 1000 e 2000 Hz (hertz)". Na ação, a os advogados esclareceram que o candidato tinha pleno conhecimento das regras do edital, que foram aplicadas a todos os concorrentes. Apontaram, ainda, que a banca examinadora agiu legalmente ao não aprovar o candidato.

A 4ª Vara da Seção Judiciária do estado do Rio Grande do Norte acolheu os argumentos da AGU e julgou improcedente o pedido do participante do concurso. "O autor é portador de perda auditiva profunda e, nessa condição, encontra-se dentre aqueles inaptos ao exercer do cargo de policial rodoviário federal", diz um trecho da sentença.


A PU/RN é unidade da Procuradoria-Geral da União, órgão da AGU.


Ref.: Ação Ordinária nº 0804077-09.2013.4.05.8400 - 4ª Vara da Seção Judiciária do Estado do Rio Grande do Norte.

Filipe Fernandes/ Uyara Kamayurá

 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »