Avaliação das práticas de gestão da Procuradoria da União no estado do Tocantins

Imprimir: Avaliação das práticas de gestão da Procuradoria da União no estado do Tocantins Compartilhamento: Avaliação das práticas de gestão da Procuradoria da União no estado do Tocantins Avaliação das práticas de gestão da Procuradoria da União no estado do Tocantins Avaliação das práticas de gestão da Procuradoria da União no estado do Tocantins Avaliação das práticas de gestão da Procuradoria da União no estado do Tocantins
Publicado : 17/12/2013 - Atualizado às : 12:11:04

Servidora Pública Federal Michele Alves Soares Costa
Servidora Pública Federal Michele Alves Soares Costa

Avaliar a gestão de uma instituição pública consiste em elaborar um diagnóstico interno que busca quantificar e qualificar os principais fatores relacionados às suas práticas de gestão. Em outros termos, permite identificar os pontos fortes e as oportunidades de melhoria que irão orientar ações de aperfeiçoamento para os aspectos gerenciais menos desenvolvidos.

A avaliação das práticas de gestão da Procuradoria da União no Estado do Tocantins foi realizada no primeiro semestre de 2013 (por ocasião de conclusão do curso de pós-graduação em Gestão Pública, ofertado pela Fundação Universidade do Tocantins), segundo o Modelo de Excelência de Gestão Pública, disseminado pelo Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização (GESPÚBLICA)1 , tendo sido avaliado o bloco Planejamento, composto pelos critérios Liderança, Estratégias e Planos, Cidadãos e Sociedade.

Se por um lado foi possível descrever práticas de gestão para alguns requisitos de critérios, por outro, vislumbra-se uma diversidade de oportunidades de aprendizado organizacional e de internacionalização dessas e de novas práticas.

Como exemplos de práticas de gestão já existentes pode-se citar a recente Campanha do Papai Noel da AGU, as capacitações on-line e presencial ofertadas pela EAGU, as ações de Coleta Seletiva Solidária, publicação do Boletim Eletrônico, as comemorações e confraternizações de aniversários e despedidas de colegas, auxílio no cumprimento de metas socioambientais propostas pela SGA, etc.

Já as principais oportunidades de melhoria foram identificadas nos requisitos do critério Estratégias e Planos, ante a inexistência de práticas de gestão, tais como: definição e comunicação de metas e estratégias, análise crítica do desempenho por meio de indicadores, acompanhamento da implementação das decisões tomadas, monitoramento e implementação de planos de ação, dentre outras.

Diante do exposto e a partir da premissa de que é possível ser excelente sem deixar de ser público, conclui-se que um plano de melhoria da gestão, elaborado com base no resultado da avaliação realizada, possibilitaria uma mudança gradual de melhoria contínua das práticas de gestão e dos processos de trabalho, a redução de retrabalhos, funcionários mais comprometidos com suas tarefas, entre outros aspectos, que impactariam diretamente na qualidade do serviço prestado e na melhoria do clima interno.

Reforçando, por fim, que sua eficiência depende do envolvimento da alta administração em todas as etapas processo, seja na participação ativa ou no incentivo para participação do corpo funcional como um todo, sendo primordial que a participação de todas as partes envolvidas não deve ser obrigatória e sim voluntária.
Aproveito o espaço, para agradecer a todos os colegas que, direta ou indiretamente, colaboraram com o levantamento das informações necessárias e à Chefia que autorizou e também contribui para a realização do trabalho de conclusão de curso na PU-TO.


1 - O Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização - GESPÚBLICA foi instituído pelo Decreto 5.378, de 23 de fevereiro de 2005, coordenado pela Secretaria de Gestão do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, constituiu importante iniciativa do Governo Federal, considerando o propósito de apoiar a implementação de organizações públicas, focadas em resultados para o cidadão, por meio da disseminação do Modelo de Excelência em Gestão Pública - MEGP, e das tecnologias de gestão desenvolvidas pelo Programa. O uso do Modelo permite que órgãos e entidades públicos possam identificar e atuar na implementação de ciclos contínuos de avaliação de seus sistemas de gestão, oportunizando o conhecimento das práticas, dos resultados atuais e seu alinhamento aos requisitos do MEGP, o que permite agregar valor às Oportunidades de Melhoria identificadas, incrementar e inovar nos Pontos Fortes. A manutenção cíclica do processo de avaliação assegura que os resultados da gestão se mantenham ao longo do tempo e se tornem efetivos.


Autora: Michele Alves Soares Costa - Administradora e Especialista em Gestão Pública.

 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »