Advogados obtêm reintegração de posse de área ocupada irregularmente no Aeroporto de Palmas

Imprimir: Advogados obtêm reintegração de posse de área ocupada irregularmente no Aeroporto de Palmas Compartilhamento: Advogados obtêm reintegração de posse de área ocupada irregularmente no Aeroporto de Palmas Advogados obtêm reintegração de posse de área ocupada irregularmente no Aeroporto de Palmas Advogados obtêm reintegração de posse de área ocupada irregularmente no Aeroporto de Palmas Advogados obtêm reintegração de posse de área ocupada irregularmente no Aeroporto de Palmas
Publicado : 07/02/2013 - Alterado : 04/04/2013
A Advocacia-Geral da União (AGU) obteve, na Justiça, a reintegração de posse definitiva em favor da Infraero de uma área invadida do Aeroporto Brigadeiro Lysias Rodrigues, localizado na cidade de Palmas (TO). A decisão impede que três pessoas de uma mesma família continuem desmatando e construindo irregularmente no local, colocando em risco a segurança dos voos.

O terreno invadido fica próximo à pista de pouso e decolagem do aeroporto. Os invasores desmataram a área e ergueram um galpão no local. Segundo os advogados da União, a família, inclusive, afirmava que iria construir residências ali. Ainda de acordo com eles, a ocupação irregular causa riscos às operações aéreas e incita novas invasões por outros pretensos proprietários.

A discussão quanto à posse ocorreu devido a uma decisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). A área em disputa tem origem no cancelamento, pelo Incra e pelo Governo do Tocantins, em 1994, de 420 matrículas imobiliárias, sendo uma delas dos invasores. Foi criada então uma matrícula única, cujo terreno foi doado à União para a construção do terminal aéreo. Já a posse de toda a extensão do aeroporto foi concedida à Infraero há 12 anos.

Em março de 2010, o CNJ decidiu, respondendo a um pedido de providências, anular o cancelamento das matrículas e restaurar o registro da área em disputa aos familiares envolvidos. A propriedade do imóvel passou, então, a ser discutida judicialmente. A Infraero obteve liminar de reintegração de posse da área, apresentando provas de que, segundo consta nesta decisão, "vem praticando atos de exteriorização do domínio (posse) sobre a área", como o fechamento com cerca e a vigilância de toda a área do aeroporto. A família, porém, recorreu.

A Procuradoria da União no Estado do Tocantins (PU/TO), unidade da AGU, ajuizou na Justiça Federal ação pedindo a manutenção da posse. Os advogados da União argumentaram que a posse pela Infraero está comprovada na doação da área autorizada pelo Decreto nº 725 (02.02.1999), do Governo do Estado do Tocantins, e o Termo de Responsabilidade sobre o imóvel, de 2005, junto à Secretaria do Patrimônio da União (SPU), quando o aeroporto já funcionava normalmente.

Além disso, com o funcionamento regular do aeroporto, a Procuradoria da União advertiu que o Código Brasileiro de Aeronáutica "contém várias restrições de uso das propriedades vizinhas aos aeródromos, sejam públicas ou privadas", que os que se dizem "proprietários" da área disputada não estão observando.

A sentença da 1ª Vara da Justiça Federal do Estado do Tocantins atestou, com base na decisão liminar, que "a posse da Infraero é indiscutível" e que a decisão do CNJ "não tem o condão de autorizar a ocupação pretendida pelos demandados (invasores)". O direito de posse pela Infraero foi reconhecido pelo magistrado responsável pelo julgamento da ação.

A PU/TO é uma unidade da Procuradoria-Geral da União, órgão da AGU.

Ref.: Reintegração/Manutenção de Posse nº 481-76.2012.4.01.4300 - 1ª Vara da Justiça Federal do Estado do Tocantins

 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »