Investidura em cargo público exige atendimento do requisito de habilitação específica prevista no Edital

Imprimir: Investidura em cargo público exige atendimento do requisito de habilitação específica prevista no Edital Compartilhamento: Investidura em cargo público exige atendimento do requisito de habilitação específica prevista no Edital Investidura em cargo público exige atendimento do requisito de habilitação específica prevista no Edital Investidura em cargo público exige atendimento do requisito de habilitação específica prevista no Edital Investidura em cargo público exige atendimento do requisito de habilitação específica prevista no Edital
Publicado : 05/11/2010 - Alterado : 07/10/2013
O TRF da 5ª Região, acolhendo os argumentos da Procuradoria Federal no Estado do Ceará, órgão da AGU que representa em juízo o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, deferiu liminar nos autos do AGTR110723-CE - PROCESSO Nº 0016041-17.2010.4.05.0000 atribuindo efeito suspensivo ao recurso a fim de sustar os efeitos de outra liminar deferida pelo juiz de 1º grau que assegurou à agravada a nomeação para o cargo público de Técnico de Laboratório - Área Química (Código 05), conforme Edital nº 12/DGP-IFCE/2010 do IFCE.

A candidata havia sido investida nas funções do referido cargo público. Contudo, o IFCE anulou o ato de investidura considerando que a autora não atendia aos requisitos de habilitação para o cargo público (Nível Médio Profissionalizante ou Médio Completo + Curso Técnico). A autora moveu ação argumentando ter direito à investidura pelo fato de ter Curso Superior de Tecnologia em Processos Químicos pelo IFCE, não sendo razoável obstar a posse exigindo-lhe nível de formação inferior.

O juízo de primeiro grau deferiu a liminar determinando a nomeação da candidata. A Procuradoria, por meio de seu Grupo de Ações Diversas, interpôs em seguida recurso de agravo de instrumento argumentando em resumo: a) a decadência da via mandamental; b) inadequação da via processual eleita em razão da necessidade de dilação probatória; c) vinculação ao edital e não atendimento ao requisito legal de investidura, pois aqui não valeria a premissa equivocada de "quem pode o mais pode o menos", pois o requisito de investidura é nível médio e curso técnico profissionalizante, sendo que o nível superior da autora até pode sugerir a satisfação de curso nível médio, mas não induz à satisfação da formação técnica profissionalizante; d) não pode o julgador criar a situação de posse/investidura precária.

O Relator de referido recurso acatou o pedido da Procuradoria e suspendeu a decisão monocrática do juízo da 8ª Vara Federal no Ceará.

A Procuradoria Federal no Ceará é órgão da Procuradoria Geral Federal.

 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »