AGU defende no Supremo medida do CNJ que afastou juíza acusada de desvio de verbas públicas no Mato Grosso

Imprimir: AGU defende no Supremo medida do CNJ que afastou juíza acusada de desvio de verbas públicas no Mato Grosso Compartilhamento: AGU defende no Supremo medida do CNJ que afastou juíza acusada de desvio de verbas públicas no Mato Grosso AGU defende no Supremo medida do CNJ que afastou juíza acusada de desvio de verbas públicas no Mato Grosso AGU defende no Supremo medida do CNJ que afastou juíza acusada de desvio de verbas públicas no Mato Grosso AGU defende no Supremo medida do CNJ que afastou juíza acusada de desvio de verbas públicas no Mato Grosso
Publicado : 07/10/2010 - Atualizado às : 17:56:55

AGU já se manifestou no STF em relação aos demais envolvidos no caso - Foto: Sérgio Moraes/AscomAGU
AGU já se manifestou no STF em relação aos demais envolvidos no caso - Foto: Sérgio Moraes/AscomAGU
A Advocacia-Geral da União (AGU) recorreu, no Supremo Tribunal Federal (STF), da decisão monocrática que reintegrou uma juíza do estado do Mato Grosso à função. Ela havia sido aposentada compulsoriamente pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ)

A juíza e mais outros magistrados foram acusados de envolvimento no desvio de verbas públicas destinadas à Loja Maçônica Grande Oriente. A AGU já se manifestou no STF em relação aos demais envolvidos. Eles também foram reintegrados às respectivas funções, após o Supremo ter concedido liminares, acatando a tese de que CNJ só poderia atuar em caso de ineficiência dos demais órgãos de controle, como as corregedorias locais.

Ao defender a atuação do Conselho, a Secretaria-Geral de Contencioso (SGCT) da AGU ressaltou que o órgão possui competência para a análise e julgamento dos fatos, conforme estabelecido na Constituição Federal. A Advocacia-Geral lembrou que a própria Corregedoria-Geral de Justiça do Estado do Mato Grosso considerou legítima a atuação do CNJ, bem como reconheceu a própria incapacidade de promover com independência os procedimentos administrativos, já que alguns dos envolvidos são membros do Tribunal.

De acordo com a AGU, ao contrário do que disse a juíza, foi assegurado a todos os interessados o direito a ampla defesa, sendo observado, no caso, o devido processo legal.

A SGCT é o órgão da AGU responsável pelo assessoramento do Advogado-Geral da União nas atividades relacionadas à defesa judicial da União perante o STF.

Ref.: Agravo no Mandado de Segurança 28743 - Supremo Tribunal Federal

Bárbara Nogueira

 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »